As Aventuras de Pi (Life of Pi/ 2012)

Assistido em 30/03/2013

Ang Lee já havia me presenteado com outros filmes que adoro, como Razão e Sensibilidade, O Tigre e O Dragão e O Segredo de Brokeback Mountain. E conseguiu mais uma vez. A narrativa fabulesca é adaptada do livro homônimo de Yann Martel e eu não vou falar sobre a polêmica envolvendo o escritor Moacyr Scliar. (Deixo ele mesmo falar). Fato é que independente da fonte da história, ela se traduziu muito bem em cinema.

Pi Patel, (apelido de Piscine Molitor Patel) nasceu e se criou em um zoológico mantido por seu pai, juntamente com sua mãe e seu irmão Ravi. O começo do filme apresenta o personagem, passando pelo bullying em virtude de seu nome até como se tornou um hindu católico muçulmano. Além disso há o impacto da convivência com sua mãe (vegetariana e religiosa) e seu pai (que come carne e é racional). Quando chega aos 16 anos, seu pai resolve que a família vai se mudar para o Canadá, à bordo de um navio japonês, com alguns animais do zoológico para vender ao chegar e assim ter mais dinheiro. No meio do Oceano Pacífico o navio passa por uma tempestade e naufraga, deixando Pi sozinho em um bote com uma orangotango, uma hiena, uma zebra e um tigre-de-bengala, chamado Richard Parker. O ator Suraj Sharma no papel de Pi com essa idade está muito bem, mesmo sendo seu primeiro trabalho diante das câmeras.

O tigre Richard Parker é feito de CGI em 86% das cenas em que aparece e devo dizer que é absolutamente espantoso! Na primeira cena em que o vi, quando Pi ainda criança tenta alimentá-lo através da grade do zoológico, ele parecia andar sem peso e fiquei em dúvida sobre a efetividade dele no restante do filme. Mas à partir do naufrágio, nada mais me incomodou. Ele é absolutamente perfeito. Se fosse reclamar de algo seria justamente por ser mais limpo, ter o pelo mais solto e sedoso, ser mais bonito do que qualquer animal real poderia ser. O CG também é utilizado de maneira eficiente nas paisagens por onde o bote passa, e as cores por vezes lembram Amor Além da Vida e Um Olhar do Paraíso.

A jornada pela sobrevivência vai levar Pi a momentos em que sequer se sabe mais o que é real e o que é inventado. Apesar disso jamais se configura uma “aventura”, como o título traduzido dá a entender. A convivência com os animais o faz aprender quem ele é, quem é capaz de ser e quem deseja ser. Ao final, com uma revelação incrível, percebemos que nem tudo é o que parece e muitas vezes as pessoas se apegam a certas explicações porque essas são mais bonitas que a realidade (e talvez por isso ela possua três religiões). Mas mesmo com tudo desvendado, não dá para achar essa realidade feia, pelo contrário! Acredito que cada pessoa vai interpretar o final de uma maneira diferente, mas isso torna-o ainda mais interessante.

Category: Cinema | Tags: , , ,
  • Deborah

    talvez tenha sido por isso esse filme mexeu tanto comigo, por essa explicação que você deu

    massa, né?
    foi o 3D mais bonito que eu vi na vida… e eu nem gosto de 3D!

    • Nossa, eu queria muito ter visto esse 3D, mas só tinha dublado… :/

  • Pingback: 25.000 acessos! | Estante da Sala()