Melhores Filmes de 2019

Também conhecido como “os filmes que eu mais gostei de ver”, portanto algo bastante pessoal. Novamente não fiz repescagem em dezembro, porque estou cansada e não quis correr atrás do que deixei pelo caminho. Esse ano, incluindo coberturas de festival, debates e mediações, atividades acadêmicas, artigos e atividades de docência. Sobre essa retrospectiva, como sempre, não tomei grande cuidado ao ordenar os filmes e depois do décimo já não obedecem mais ordem alguma (e sinceramente não vou me preocupar com isso). Optei por deixar desse jeito mesmo. Tem de tudo um pouco: filme do Oscar, filme que vi em festival, farofas gostosas, uns mais instigantes ou divisivos. Engraçado Scorsese, um dos meus diretores preferidos, ficou de fora. Talvez entrasse em uma lista maior, não sei. Fecho o ano 342 filmes assistidos (o maior número nos últimos sete anos), mas dos quais apenas 269 são longas (provavelmente o menor número na década). Lançamentos, se eu computei corretamente, foram 110. Levei em conta tanto filmes que passaram no cinema quanto os que chegaram diretamente em homevideo e VoD. Colo junto como os escolhidos a avaliação que dei quando assisti, de zero até cinco estrelas. Filmes sobre os quais escrevi ou gravei podcast a respeito tem link para o texto no título. Para ver essa lista no Letterboxd, acesse aqui. Para ver essa lista no Letterboxd, acesse aqui.

A Vida Invisível (2019)

Direção: Karim Aïnouz

★★★★★

Dor e Gloria (Dolor y Gloria, 2019)

Direção: Pedro Almodóvar

★★★★½

Nós (Us, 2019)

Direção: Jordan Peele

★★★★½

Parasita (Gisaengchung, 2019)

Direção: Bong Joon Ho

★★★★½

Rocketman (2019)

Direção: Dexter Fltcher

★★★★½

Bacurau (2019)

Direção: Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

★★★★½

A Favorita (The Favourite, 2018)

Direção: Yorgos Lanthimos

★★★★½

Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk, 2018)

Direção: Barry Jenkins

★★★★½

Assunto de Família (Manbiki kazoku, 2018)

Direção: Hirokazu Koreeda

★★★★

Fora de Série (Booksmart, 2019)

Direção: Olivia Wilde

★★★★

Fé Corrompida (First Reformed, 2017)

Direção: Paul Schrader

★★★★

Vidro (Glass, 2019)

Direção: M. Night Shyamalan

★★★★

A Música da Minha Vida (Blinded By the Light, 2019)

Direção: Gurinder Chadha

★★★★

Rainha de Copas (Dronningen, 2019)

Direção: May el-Toukhy

★★★★

A Sombra do Pai (2018)

Direção: Gabriela Amaral Almeida

★★★★

Mormaço (2018)

Direção: Marina Meliande

★★★★

Sorry to Bother You (2018)

Direção: Boots Riley

★★★★

Midsommar (2019)

Direção: Ari Aster

★★★★

Temporada (2018)

Direção: André Novais Oliveira

★★★★

Poderia Me Perdoar (Can You Ever Forgive Me?, 2018)

Direção: Marielle Heller

★★★★

Share

Os 15 melhores filmes vistos pela primeira vez em 2019

Essa lista, que faço todos os anos, são dos melhores filmes que eu vi pela primeira vez no ano e que não são lançamentos. Como sempre, para facilitar, escolhi apenas filmes ficcionais de longa metragem.  Além disso, para abrir espaço à variedade, diretoras e diretores com mais de um filme que preenchessem esse critério tiveram só um listado. Outros filmes com avaliação alta vistos esse ano, mas com direção repetida, serão colocados abaixo. A lista também pode ser conferida no letterboxd. Filmes sobre os quais escrevi ou gravei podcast tem links no título e a ordem da disposição é cronológica.

Cupido é Moleque Teimoso (The Awful Truth, 1937)

Direção: Leo McCarey

★★★★

Boêmio Encantador (Holiday, 1938)

Direção: George Cukor

★★★★

Tarde Demais (The Heiress, 1949)

Direção: William Wyller

★★★★1/2

O Bígamo (The Bigamist, 1953)

Direção: Ida Lupino

★★★★

Algo Diferente ( O necem jiném, 1963)

Direção: Vera Chytilová

★★★★

Um caminho Para Dois (Two for the Road, 1967)

Direção: Stanley Donen

★★★★1/2

A Noite dos Mortos-Vivos (Night of the Living Dead, 1968)

Direção: George A. Romero

★★★★1/2

MImi, O Metalúrgico (Mimì metallurgico ferito nell’onore, 1972)

Direção: Lina Wertmüller

★★★★

Golpe de Mestre (The Sting, 1973)

Direção: George Roy Hill

★★★★1/2

Conhecendo o Grande e Vasto Mundo (Poznavaya belyy svet, 1980)

Direção: Kira Muratova

★★★★

O Massacre na Festa de Pijamas (The Slumber Party Massacre, 1982)

Direção: Amy Holden Jones

★★★★

Um Tempo para Viver, um Tempo para Morrer (Tóngnián wangshi, 1985)

Direção: Hou Hsiao-Hsien

★★★★1/2

Leis do Desejo (La Ley del Deseo, 1987)

Direção: Pedro Almodóvar

★★★★

Um Dia Quente de Verão (Gu ling jie shao nian sha ren shi jian, 1991)

Direção: Edward Yang

★★★★

Videodrome: A Síndrome do Vídeo (Videodrome, 1993)

Direção: David Cronenberg

★★★★★

Share

Melhores documentários assistidos em 2019

Essa é a sexta vez eu faço essa lista com documentários que mais gostei de ver ao longo do ano. Separo eles dos demais filmes porque me facilita a vida na hora de elaborar a lista de melhores filmes do ano e porque assim também posso colocar aqueles que não são lançamentos, mas que eu vi pela primeira vez ao longo dos últimos 12 meses. Eu gosto muito de documentários e acho interessante como sem querer eles se tornaram o reduto dos trabalho de mulheres, como pode ser facilmente verificado abaixo. A lista abaixo está grosseiramente ordenada por preferência e está disponível no letterboxd. Filmes sobre os quais escrevi ou gravei podcast estão devidamente linkados.

Saudações, Cubanos! (Salut les Cubains, 1964)

Direção: Agnès Varda

A Entrevista ( 1966)

Direção: Helena Solberg

Espero Tua (Re)volta (2019)

Direção: Eliza Capai

Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar (2019)

Direção: Marcelo Gomes

Cameraperson (2016)

Direção: Kirsten Johnson

A Falta Que Me Faz (2009)

Direção: Marília Rocha

History Lessons (2000)

Direção: Barbara Hammer

Honeyland (2019)

Direção: Tamara Kotevska e Ljubomir Stefanov

Democracia em Vertigem (2019)

Direção: Petra Costa

Casa (2019)

Direção: Letícia Simões

Share

Melhores filmes dirigidos por mulheres da década

Nesse final de ano organizei uma lista de 50 melhores filmes dirigidos por mulheres da década de 2010 no Feito por Elas, convidando jornalistas, críticas e pesquisadoras para enviar seus votos. O resultado pode ser conferido no site. Abaixo listo meus 10 votos e 5 menções honrosas. O critério da lista leva em conta a data de produção, uma vez que alguns desses filmes nunca foram lançados comercialmente no Brasil, o que explica o 1º lugar. Também tenho um critério pessoal de apenas 1 filme por diretor/a em cada lista. Se não fosse isso, talvez a lista fosse diferente. A lista também está disponível no Letterboxd.

Menções honrosas:

15- Era o Hotel Cambridge (2017), de Eliane Caffé

14- O Babadook (The Babadook, 2014), de Jennifer Kent

13- Respire (2014), de Mélanie Laurent

12- Grave (2016), de Julia Ducournau

11- Não é um Filme Caseiro (No Home Movie, 2015), de Chantal Akerman

Meus votos:

10- Que Horas Ela Volta? (2015), de Anna Muylaert

9- Pariah (2011), de Dee Rees

8- Lady Bird: A Hora de Voar (Lady Bird, 2017), de Greta Gerwig

7- Trabalhar Cansa (2011), de Juliana Rojas e Marco Dutra

6- O Morro dos Ventos Uivantes (Wuthering Heights, 2011), de Andrea Arnold

5- Precisamos Falar Sobre o Kevin (We Need to Talk About Kevin, 2011), de Lynne Ramsay

4- Entre o Amor e a Paixão (Take This Waltz, 2011), de Sarah Polley

3- A 13ª Emenda (13th, 2016), de Ava DuVernay

2- Visages Villages (2017), de Agnès Varda e JR

1- Retrato de uma Jovem em Chamas (Portrait de la jeune fille en feu, 2019), de Céline Sciamma

Share

[43ª Mostra de São Paulo] Dois Papas (The Two Popes, 2019)

Esta crítica faz parte da cobertura da 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 17 e 30 de outubro na cidade.

Extremamente divertido. Esse não é a descrição que esperaria utilizar para descrever um filme sobre duas figuras eclesiásticas, mas é um resumo perfeito para Dois Papas, escrito por Anthony McCarten e dirigido por Fernando Meirelles. O filme mostra as eleições do cardeal Ratzinger (Anthony Hopkins, com lentes de contato castanhas) e do cardeal Bergoglio (Jonathan Pryce), que assumiram os nomes de papa Bento XVI e Papa Francisco, respectivamente, no mais alto cargo da hierarquia da Igreja Católica.

Em 2005 morreu o papa João Paulo II, resumido no filme como alguém que lutou pelos direitos humanos, mas conservador no que diz respeito aos costumes. A igreja, nesse momento, precisava fazer uma escolha: eleger um novo líder conservador, alinhado com a tradição, ou progressista, tendo em vista a perda de fiéis que havia se se ampliado nos últimos anos, motivada pela falta de conexão entre a doutrina e a vida das pessoas. Os defensores da primeira medida venceram, com a eleição de Ratzinger. O filme traduz para aqueles que não são da religião os ritos e meandros envolvidos nesse processo, que passa pela reunião de cardeais de todo mundo, a própria votação e suas especificidades, até a fumaça branca que anuncia o habemos papam.

O que ocorre daí em diante é a ficcionalização dos encontros entre Ratzinger e Bergoglio e suas conversas. Embora seja uma narrativa bastante tradicional, o ponto forte está nos dois atores, que são colocados lado a lado com tanta naturalidade, como se não houvesse esforço nesse processo, que passa ao público a falsa impressão de que eles não interpretam, apenas são. É fácil se perder na apreciação do talento deles, que é auxiliado por um ótimo texto, com diálogos afiados e cheios de humor (que não deixa de fora nem mesmo pequenas piadas sobre suas origens, seja alemã, seja argentina).

A trilha sonora também é muito bem escolhida, pontuando os momentos certos, do Besame Mucho ao Dancing Queen casualmente assoviado, e é usada como ponte para algo que é corrente em todo filme: a humanização de seus protagonistas. Se por um lado não tenta justificar o fato de Ratzinger ter integrado a juventude de Hitler, por outro coloca em discussão o fato de Bergoglio, uma figura muito mais carismática, ter negociado com pessoas de autoridade durante a ditadura na Argentina. O que fica no ar com isso é porque o tratamento diferenciado entre os dois passados, embora fique claro que o peso das ações são carregados até hoje.

O trabalho de direção de arte é essencial para estabelecer as diferenças entre os dois. Enquanto Bento XVI é retratado colocando sequências de anéis de ouro, seu grande crucifixo com grossas correntes, também de ouro, e o vistoso sapato de couro vermelho, ornando com sua batina branca, Bergoglio só usa seu traje negro e vermelho de cardeal quando obrigado, usa botinas gastas e uma singela cruz de prata. Mesmo quando já eleito Francisco, abre mão dos adornos papais usuais. Os mobiliários são minimalistas e dão espaço para destacar a interação dos atores, mas também a opulência dos tesouros que o Vaticano detém. É possível ter um vislumbre do histórico da instituição quando se trata das artes e riquezas quando, em certa cena, a câmera abre e o recinto se ilumina para revelar que os protagonistas estão na Capela Sistina.

Infelizmente há inserções de flashbacks em preto e branco para estabelecer a juventude de Bergoglio na Argentina e Uruguai, o chamado para a vocação religiosa, sua relação com a teologia da libertação e seu colaboracionismo com a ditadura. Esses são os momentos que enfraquecem a narrativa, que seria muito mais interessante se focasse apenas no embate entre os atores principais.

O filme ganha quando destaca a pequenez de seus protagonistas diante da história longeva da instituição da qual fazem parte e as diferenças, quando se trata de postura e de opinião, entre ambos. Melhora ainda mais quando os estabelece como humanos, pequenos e falhos, sabendo que “verdade sem amor pode ser insuportável”, como afirma Bento XVI, e que é preciso “lutar contra a tirania da estrutura econômica mundial desigual”, conforme Francisco. Dois Papas é ótimo na medida em que aproveita o grandes atores principais para estabelecer as personalidades conflitantes de seus protagonistas. E é extremamente divertido.

Nota: 4 de 5 estrelas
Share