Category Archives: Televisão

Análise dos vencedores do prêmio do Sindicato dos Figurinistas

Estamos chegando ao fim da temporada de premiações e no dia 22 de fevereiro foram entregues os prêmios anuais do Sindicato dos Figurinistas dos Estados Unidos (Costume Design Guild Awards). Os votantes são figurinistas, assistentes de figurino e ilustradores, todos vinculados ao sindicato e são lembradas produções de cinema, televisão e publicidade. Seguem abaixo as categorias de cinema e seus indicados, com destaque para o vencedor e comentários a respeito de cada uma.

Excelência em Filme de Fantasia:
THE HOBBIT: THE DESOLATION OF SMAUG
O Hobbit: A Desolação de Smaug : Ann Maskrey, Richard Taylor, Bob Buck
Jogos Vorazes: Em Chamas: Trish Summerville 
Oz: Mágico e Poderoso: Gary Jones, Michael Kutsche
ID_D20_08568.dng

Entre as categorias de Cinema, esta, sem dúvida, era a menos concorrida e salta aos olhos a total ausência de filmes de Ficção Científica, em um ano com tantos do gênero. É especialmente uma pena um filme como Além da Escuridão: Star Trek não ser lembrado.
Sobre O Hobbit: A Desolação de Smaug deve-se dizer que, assim como o filme anterior dessa nova trilogia baseada na obra de Tolkien, todo o design de produção impressiona menos do que a da trilogia Senhor dos Anéis. É visível o esforço que foi colocado no feitio de sapatos, cintos e na manipulação de lãs e metais, por exemplo, mas é difícil não ver isso como a extensão de um trabalho começado há mais de uma década. Os figurinos estão suficientemente bem executados, mas não chamam a atenção de verdade.
Oz: Mágico e Poderoso tem um figurino bonito, mas que segue uma visão bastante simplista: bruxa boa veste roupa tradicional e clara e bruxa má veste roupa moderna ou sedutora em tons fortes ou escuros. Há alguns detalhes interessantes, como o vestido que passa a ideia de uma armadura, mas apesar de visualmente bonito, limita-se a isso.
O figurino de Jogos Vorazes: Em Chamas é claramente o que merecia vencer nessa categoria. Trish Summerville é um nome em rápida ascensão na indústria e mostrou talento ao herdar um universo já criado e conseguir ampliá-lo e melhorá-lo em todos os aspectos. Usou de parcerias com estilistas sem jamais perder sua visão do todo e deleitou os expectadores dessa distopia em que a moda é um espetáculo utilizado para distrair os incautos da política que ocorre nos bastidores. O conjunto é bonito e ao mesmo tempo cumpre seu papel, sendo coerente com o legado do primeiro filme da quadrilogia.

Excelência em Filme Contemporâneo:
03 04
Blue Jasmine: Suzy Benzinger
Ela: Casey Storm
Nebraska: Wendy Chuck
Philomena: Consolata Boyle
A Vida Secreta de Walter Mitty: Sarah Edwards
05

Filmes contemporâneos são sempre os mais difíceis de avaliar, porque sua força geralmente reside em sutilezas. Senti falta na lista dos indicados de Segredos de Sangue, que possui um figurino que parece ter sido feito de maneira sempre consciente de sua própria artificialidade, contribuindo para o ar gótico do filme e sua estética extremamente específica e contida.
É de se estranhar que Ela esteja nessa lista: não se trata de um filme contemporâneo e sim uma ficção científica que se passa em um futuro não tão distante de nós. Seria coerente que estivesse na lista de Fantasia. Apesar disso deve ser mencionado, pois baseia-se em preceitos muito bons: ao invés de criar uma moda futurista desconectada de nossa realidade, abraça a ideia de que ela é cíclica e rouba elementos do passado, especialmente da década de 1930, para compô-la. As calças com cinturas extremamente altas se aliam à quase total falta de acessórios e às golas pequenas ou inexistentes para criar uma estética minimalista e crível.
Nebraska, Philomena e A Vida Secreta de Walter Mitty mostram o vestir de pessoas comuns que começam em situações cotidianas mas deslocam-se de sua zona de conforto. O primeiro possui uma composição de camadas (devido ao frio do lugar retratado) e, por tratar-se de um filme em preto e branco, há uma preocupação com a forma como as cores e as texturas (há muito xadrez, mas também outras estampas) são percebidas no resultado final. Philomena tem parte de sua história no passado, através de flashbacks; mas focando no período contemporâneo percebe-se o contraste entre a personagem-título e o jornalista que é seu companheiro de viagem: enquanto ele se veste com a elegância de quem frequenta os altos escalões da política, ela está bem representada como uma senhorinha suburbana e simplória, que prima o conforto em primeiro lugar. Já o último dos três, embora seja o filme mais fraco, tem um figurino competente, que nos coloca em uma realidade que pode se passar em qualquer espaço-temporal e nos mostra como o protagonista, Walter Mitty, evoluiu do homem que vestia roupas quase como um uniforme em uma vida monótona (vide sua jaqueta cinza de todo dia de trabalho) ao aventureiro que necessita de vestimentas específicas e até ousa utilizar vermelho, demonstrando sua recém-adquirida coragem de viver.
Blue Jasmine tem seu figurino trabalhado em torno de conceitos como decadência, desconexão e contraste. Jasmine, após se divorciar de seu marido, tem que abrir mão de sua vida de socialite e mudar-se para a casa da irmã com todos os pertences na bagagem. Ainda assim mantém peças caríssimas: suas roupas e acessórios são de marcas como Chanel. Oscar de la Renta, Hermès, Louis Vuitton, Birkin, entre outras. Vivendo em um mundo de emoções que desmoronam ao seu redor, com toques de Um Bonde Chamado Desejo, é nas roupas que se expressa a falta de ligação entre ela e as pessoas com que passa a conviver.
Conceitualmente Ela possui o figurino mais forte do grupo, mas levando-se em conta o seu deslocamento na categoria e a força do figurino de Blue Jasmine, é difícil questionar a escolha.

Excelência em Filme de Época:
XXX aDF-03734.jpg 07
12 Anos de Escravidão: Patricia Norris
Trapaça: Michael Wilkinson
Clube de Compras Dallas: Kurt & Bart
O Grande Gatsby: Catherine Martin
Walt nos Bastidores de Mary Poppins: Daniel Orlandi
08

Essa, geralmente, é a categoria mais concorrida e a que mais chama atenção do grande público. Vou me abster de comentar o último filme listado, pois não o assisti.
Como já mencionado na coluna a seu respeito, o figurino de Trapaça explora o período (final da década de 1970), através de exageros, ao mesmo tempo em que utiliza as cores para frisar certos momentos da narrativa.
Já o trabalho desenvolvido em Clube de Compra Dallas é a respeito de tempo e local. A localização da trama na cidade de Dallas, no Texas e na década de 1980 é importantíssima para a definição das roupas dos personagens. O protagonista, Ronald, é um cowboy diagnosticado com AIDS. Os figurinistas Kurt & Bart demonstraram cuidado ao alterar ligeiramente o ajuste do vestuário do personagem para frisar sua perda de peso, por exemplo. As roupas da travesti Rayon também se destacam. Aliás, a dupla, que foi responsável pelo marcante figurino de Segredos de Sangue, criará o dos dois últimos filmes da franquia Jogos Vorazes, substituindo Trish Summerville. São mais dois nomes em ascensão que merecem ser observados em seus trabalhos futuros.
O Grande Gatsby possui roupas que foram amplamente divulgadas. A parceira da figurinista Catherine Martin com a grife Prada fez com que os trajes utilizados em cena recebessem vasta cobertura na mídia especializada em moda. Em determinados sítios Miuccia Prada foi creditada pelo figurino, mostrando total desconhecimento a respeito do papel de um figurinista. Embora Martin tenha perdido controle sobre a forma como sua obra foi percebida após estar pronta, não posso deixar de dizer que ela é problemática em alguns aspectos já na concepção. O conjunto atende às necessidades do design de produção do filme (também executado por ela), ajudando a criar a ostentação e o desvario econômico que permeiam a trama; mas peca em não conseguir transmitir a época em que ela se passa. Precisão na representação de um período jamais é pré-requisito para um bom figurino de época, mas quando o contexto desse período (nesse caso, a década de 1920, antes da crise de 1929) é tão importante para a narrativa, é interessante haver pelo menos nuances que façam lembrar a moda utilizada, o que não acontece com as roupas das personagens principais, especialmente Daisy. Apesar disso, o conjunto funciona dentro da proposta anacrônica do filme.
Em 12 Anos de Escravidão transparece o volume de trabalho realizado pela veterana Patricia Norris, de oitenta e dois anos. O filme, que começa na década de 1850, avança mais de uma década após isso e tem um grande número de figurantes e, consequentemente, de roupas criadas especificamente para ele. No começo da trama a família do protagonista, Solomon Northup, é apresentada com trajes de classe média da moda corrente, que os posicionavam favoravelmente na sociedade, já que eram pessoas negras livres em plena época de escravidão. Ao ser capturado e vendido como escravo, Solomon é rodeado por outras pessoas nessa situação terrível e aí é que mais se destaca o cuidado com as roupas: cada um veste-se de modo singular, de maneira a não ser um grupo de pessoas uniformizadas para o trabalho. Tingimento e envelhecimento dos tecidos em algodão e linho criam cores e texturas diferenciadas, condizentes com cada período retratado da jornada do personagem e seus companheiros. Enquanto as pessoas escravizadas vestem trapos desgastados, proprietários rurais e suas famílias exibem as últimas modas. O trabalho de figurino ao mesmo tempo tem uma grande escala e é minimalista, sendo sempre coerente com a narrativa e o contexto histórico.

De todos os filmes lembrados na premiação do Sindicato dos Figurinistas, três receberam indicações ao Oscar: Trapaça, O Grande Gatsby e 12 Anos de Escravidão. A eles juntaram-se o longa chinês O Grande Mestre e o britânico The Invisible Woman. O vencedor naquele prêmio foi O Grande Gatsby.

Filmes para Televisão ou Minisséries:
American Horror Story: Coven – Lou Eyrich
Minha Vida com Liberace – Ellen Mirojnick
Bonnie & Clyde – Marilyn Vance
House of Versace – Claire Nadon
Phil Spector – Debra McGuire
09

A respeito de Minha Vida com Liberace, não tivessem tantos estúdios se negado a produzi-lo, até ter sido adotado pelo canal de TV a cabo HBO, certamente figuraria entre os indicados das grandes premiações de cinema, pelo menos no que diz respeito ao figurino. Retratando a relação entre Liberace e seu namorado Scott do final da década de 1970 até a de 1980, o filme se aproveita do notório apreço do pianista pelo kitsch e mostra, compostos com grande esmero e cuidado com os detalhes, cenários condizentes e um figurino deliciosamente camp. É um verdadeiro deleite para os olhos.

Séries de Televisão Contemporâneas:
Breaking Bad – Jennifer Bryan
House of Cards – Tom Broecker
Nashville – Susie DeSanto
Scandal – Lyn Paolo
Saturday Night Live – Tom Broecker, Eric Justian

HOUSE OF CARDS

Dessa lista assisti apenas duas séries: House of Cards e Breaking Bad. Considero o figurino da segunda mais interessante, especialmente pelo uso de cores. House of Cards por vezes cai em clichês, especialmente em se tratando das roupas de Claire, que ao ser retratada como mulher forte, sempre veste vestidos secos e estruturados, como armaduras.

Séries de Televisão de Época/ Fantasia:

Boardwalk Empire – John Dunn, Lisa Padovani
The Borgias– Gabriella Pescucci
Downton Abbey – Caroline McCall
Game of Thrones – Michele Clapton
Mad Men – Janie Bryant

downton-abbey-christmas-special-season-4

Aqui acompanho as três últimas séries e é inegável a beleza do trabalho realizado no drama britânico. Ainda acho que a qualidade do trabalho e dos simbolismos criados por Jane Bryant em Mad Men é sem precedentes na televisão e também considero o esforço e a escala da obra de Game of Thrones algo impressionante, mas qualquer escolha seria justa.
E quais foram os seus figurinos preferidos do último ano?

Share

Indicados e Vencedores Globo de Ouro 2014

golden-globes-logo A Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA) revelou seus indicados aos prêmios de melhores do ano em cinema e televisão. A cerimônia de premiação ocorrerá em 12 de janeiro e terá como apresentadoras Tina Fey e Amy Poehler. As indicações foram lideradas por 12 Anos de Escravidão, seguido de Trapaça e Nebraska. Segue abaixo a lista. ATUALIZAÇÃO: Em negrito, abaixo, os vencedores:

MELHOR FILME – DRAMA

12 Anos de Escravidão

Capitão Phillips

Gravidade

Philomena

Rush – No Limite da Emoção

MELHOR FILME- COMÉDIA OU MUSICAL

Trapaça

Ela

Inside Llewyn Davis

Nebraska

O Lobo de Wall Street

MELHOR ATOR – DRAMA

Chiwetel Ejiofor – 12 Anos de Escravidão

Idris Elba – Mandela: Long Walk to Freedom

Tom Hanks – Capitão Phillips

Matthew McConaughey – Dallas Buyers Club

Robert Redford – Até o Fim

MELHOR ATRIZ – DRAMA

Cate Blanchett – Blue Jasmine

Sandra Bullock – Gravidade

Judy Dench – Philomena

Emma Thompson – Walt nos Bastidores de Mary Poppins

Kate Winslet – Refém da Paixão

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL

Christian Bale – Trapaça

Bruce Dern – Nebraska

Leonardo Dicaprio – O Lobo de Wall Street

Oscar Isaac – Inside Llewyn Davis

Joaquin Phoenix – Ela

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL

Amy Adams – Trapaça

Julie Delphy – Antes da Meia-Noite

Greta Gerwig – Frances Ha

Julia Louis-Dreyfus – À Procura do Amor

Meryl Streep – Álbum de Família

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Barkhad Abdi – Capitão Phillips

Daniel Bruhl – Rush – No Limite da Emoção

Bradley Cooper – Trapaça

Michael Fassbender –12 Anos de Escravidão

Jared Leto – Dallas Buyers Club

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Sally Hawkins – Blue Jasmine

Jennifer Lawrence – Trapaça

Lupita Nyong’o – 12 Anos de Escravidão

Julia Roberts – Álbum de Família

June Squibb – Nebraska

MELHOR DIRETOR

Alfonso Cuaron – Gravidade

Paul Greengrass – Capitão Phillips

Steve McQueen -12 Anos de Escravidão

Alexander Payne – Nebraska

David O. Russell – Trapaça

MELHOR ROTEIRO

Spike Jonze – Ela

Bob Nelson – Nebraska

Jeff Pope Steve – Philomena

John Ridley – 12 Anos de Escravidão

David O. Russell – Trapaça

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA

Azul é a Cor Mais Quente (França)

A Grande Beleza (Itália)

A Caça (Dinamarca)

O Passado (Irã)

Vidas ao Vento (Japão)

MELHOR ANIMAÇÃO

Os Croods

Meu Malvado Favorito 2

Frozen – Uma Aventura Congelante

MELHOR TRILHA SONORA

Até o Fim

Mandela: Long Walk to Freedom

Gravidade

A Menina que Roubava Livros

12 Anos de Escravidão

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“Atlas” – Jogos Vorazes – Em Chamas

“Let it Go” – Frozen – Uma Aventura Congelante

“Ordinary Love” -Mandela: Long Walk to Freedom

“Please Mr Kennedy” – Inside Llewyn Davis

“Sweeter Than Fiction” – One Chance

MELHOR SÉRIE – DRAMA

Breaking Bad

The Good Wife

House of Cards

Masters of Sex

The Newsroom

MELHOR SÉRIE – COMÉDIA OU MUSICAL

The Big Bang Theory

Brooklyn Nine-Nine

Girls

Modern Family

Parks and Recreation

MELHOR MINISSÉRIE OU TELEFILME 

American Horror Story: Coven

Behind the Candelabra

Dancing on the Edge

Top of the Lake

The White Queen

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE- DRAMA

Tatiana Maslany – Orphan Black

Taylor Schilling – Orange is the New Black

Kerry Washington – Scandal

Robin Wright -House of Cards

Julianna Margulies – The Good Wife

MELHOR ATOR EM SÉRIE- DRAMA 

Liev Schreiber – Ray Donovan

Bryan Cranston – Breaking Bad

Michael Sheen – Masters of Sex

Kevin Spacey – House of Cards

James Spader – The Blacklist

MELHOR ATRIZ EM SÉRIE- COMÉDIA OU MUSICAL

Zooey Deschanel – New Girl

Julia Louis-Dreyfus – Veep

Lena Dunham – Girls

Edie Falco – Nurse Jackie

Amy Poehler – Parks and Recreation

MELHOR ATOR EM SÉRIE- COMÉDIA OU MUSICAL

Jason Bateman – Arrested Development

Don Cheadle – House of Lies

Michael J. Fox – The Michael J. Fox Show

Andy Samberg – Brooklyn Nine-Nine

Jim Parsons – The Big Bang Theory

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME

Hayden Panettiere – Nashville

Monica Potter – Parenthood

Janet McTeer – The White Queen

Jacqueline Bisset – Dancing on the Edge

Sofia Vergara – Modern Family

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE, MINISSÉRIE OU TELEFILME

Josh Charles – The Good Wife

Rob Lowe -Behind the Candelabra

Aaron Paul – Breaking Bad

Corey Stoll – House of Cards

Jon Voight – Ray Donovan

MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE OU TELEFILME

Helena Bonham Carter – Burton and Taylor

Rebecca Ferguson – The White Queen

Jessica Lange -American Horror Story: Coven

Helen Mirren – Phil Spector

Elisabeth Moss -Top of the Lake

MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE OU TELEFILME

Matt Damon – Behind the Candelabra

Chiwetel Ejiofor – Dancing on the Edge

Idris Elba – Luther

Al Pacino – Phil Spector

Michael Douglas – -Behind the Candelabra

Com isso Trapaça é o grande ganhador da noite, com o prêmio de melhor filme, melhor atriz (Amy Adams)  e melhor atriz coadjuvante (Jennifer Lawrence), todos nas categorias Comédia ou Musical. Nas categorias de Drama os prêmios se dividiram, mas Melhor Filme foi para 12 Anos de Escravidão. Destaque também para o filme feito para televisão Behind the Candelabra, que levou prêmios de melhor Minissérie ou Telefilme  e melhor ator em Minissérie ou Telefilme (Michael Douglas).

Share

Assassinato em Gosford Park (Gosford Park/ 2001)

Assistido em 15/11/2013

Há alguns meses havia escrito que comecei a assistir Downton Abbey. O primeiro impacto havia sido bastante positivo: lindos figurinos da década de 1910 e uma trama que parecia interessante ao ressaltar as relações entre a antiga nobreza e a vida de seus criados no andar debaixo naquele começo de século. Após o término da quinta temporada, o que tenho a dizer é que os figurinos, agora já na década de 20, continuam lindos, mas a trama provou-se um grande novelão. O criador e roteirista, Julian Fellowes, não hesita em tratar a criadagem como os maiores conservadores e mantenedores de status sociais, a classe média como simplórios deselegantes e garantir que a nobreza, séria e prudente, tenha a razão ao final de cada linha de história, além de lançar mão de artifícios como amputação, gravidez de risco ou fora do casamento, namorados sumidos, estupro, viuvez precoce e outros, sempre apelando para o drama folhetinesco.

Por causa da série, resolvi rever Assassinato em Gosford Park, dirigido por Robert Altman, com roteiro também de Julian Fellowes. A dinâmica entre a velha nobreza com porte, a classe média deselegante e os criados conservadores também se faz presente nessa trama. Dessa vez a história se passa na década de 1930, em uma casa de campo em que um grupo de pessoas se reúne para passar os dias. Há o dono da casa, William (Michael Gambon), sua esposa Sylvia (Kristin Scott Thomas), sua cunhada Isobel (Camilla Rutherford), alguns outros nobres, como Lady Trantham (Maggie Smith, também em Downton Abbey), e um astro de cinema americano, Ivor Novello (Jeremy Northam). O elenco é grande e leva um tempo para se familiarizar com todos. Fellowes parece ter vasto conhecimento sobre o funcionamento de casas como essa e isso transparece no tratamento que dá aos papéis dos empregados. Ao mesmo tempo, eles estão sempre julgando e trocando informações sobre os convidados, não parecendo aprovar modernidades ou hábitos diferentes, como o vegetarianismo de um deles. Os nobres parecem manter as aparências e a pompa. Certa hora é perguntado ao ator como ele aguenta essas pessoas. Ele responde que é porque passa a vida interpretando-as.

A casa transmite a sensação de perigo iminente. Em diversas cenas aparecem vidros de venenos, facas, armas de fogo e a sensação é de que algo ocorrerá. Até que durante a noite o anfitrião é morto. O crime só pode ter sido cometido por alguém de dentro da casa. A ambientação e trama ajudam a aproximar o filme de uma adaptação da obra de Agatha Christie. Mas, o invés de Hercule Poirot, temos o inspetor Thompson (Stephen Fry) na investigação.

O filme é bonito, bem executado, tem um belo design de produção e entretém muito bem. É pena que passados doze anos de seu lançamento, ele só venha a comprovar que Fellowes é um escritor que embora demonstre grande conhecimento histórico, é monotônico. Talvez seja um daqueles filmes em que o passeio pela obra é melhor que o destino final.

gosford park

Share

Downton Abbey

Mais uma dica de série britânica para assistir: Downton Abbey. Depois dos dez minutos iniciais eu sabia que teria que assistir tudo. Já são três temporadas e a quarta estreia em setembro. Assisti a primeira e fiquei muito bem impressionada (mas agora tenho que tomar cuidado com spoilers). Engana-se quem pensa que é algo muito sofisticado em termos de roteiro: trata-se de um novelão, com mocinhas e vilões muito bem delineados. Mas é um novelão bem feito e delicioso.

A história começa em 1912, com o patriarca da nobre família Crawley (Hugh Bonneville) descobrindo pelo jornal que o Titanic afundou. Sua casa, Downton Abbey, é vinculada ao título de nobreza e como ele e sua esposa, a americana Cora (Elizabeth McGovern), têm três filhas mulheres, herdará a propriedade o parente homem mais próximo. Sua filha mais velha, Mary (Michelle Dockery), estava prometida em casamento ao seu único primo, de maneira que quando ele se tornasse o herdeiro, tudo permaneceria com eles. Mas ele estava a bordo do Titanic e ao começo da história a família sequer sabia mais quem seria o herdeiro, pois restam apenas parentes distantes e desconhecidos. Mary é mimada e decidida. A filha do meio, Edith (Laura Carmichael), é a que ninguém lembra que existe: não é suficientemente bonita, nem inteligente, nem espirituosa. A mais nova, Sybil (Jessica Brown Findlay) é o xodó da casa e tem ideais políticos. Para completar a família, a avó, a ácida e divertida Violet Crawley (Maggie Smith).

Downton-Abbey-Season-2-downton-abbey-31759388-2106-1503

As irmãs Crawley

Mas a graça de Downton Abbey não é a família em si: histórias familiares de nobreza e burguesia existem às pencas. O bom mesmo é que a série divide o foco entre a família e os criados, que moram na casa, acordam de madrugada e desempenham as duras tarefas para que tudo esteja em funcionamento e os Crawley possam viver seus dramas sem outras preocupações. O mordomo Sr. Carnson (Jim Carter), o valete Sr. Bates (Brandan Coyle), a cozinheira Sra. Patmore (Lesley Nicol), a chefe das empregadas, Sra. Hughes (Phillys Hogan), a camareira amiga das  patroas, Anna (Joanne Froggatt) e por aí vai. Construiu-se um leque de personagens interessantes, que nos fazem querer acompanhar mais o que acontece no andar de baixo da residência, mesmo que, por se tratar de um novelão, eles sejam retratados de forma maniqueísta.

Os empregados da casa (e para quem assiste Game of Thrones, Ygritte!)

Os empregados da casa (e para quem assiste Game of Thrones, Ygritte!)

Escrita por Julian Fellowes (que também foi roteirista de A Jovem Rainha Victoria e Assassinato em Gosford Park), a produção tem grande qualidade. Filmada em uma mansão real, apenas os aposentos dos empregados e a cozinha são estúdios, já que estes já foram modernizados pela família moradora. Os figurinos são perfeitos e muitas roupas são originais da época. As atrizes dizem que em algumas cenas mal podem se movimentar, pois os vestidos estão se desmanchando em função da idade. O elenco ainda conta com um consultor histórico, Alistair Bruce, que os ensinam a se portar, falar e realizar suas ocupações.

A primeira temporada é curtinha: são  sete episódios.

DowntonAbbey-Poster

Share

25.000 acessos!

Vamos comemorar comendo um bolinho com Julia Child

Eis que na quarta-feira, dia 29 de maio, véspera de feriado, o Estante da Sala chega ao seu acesso número vinte e cinco mil! Eu sei que para a maioria das pessoas que têm blogs esse não é um número tão grande, mas eu considero bastante!

Quando comecei-o , em 2009, pretendia escrever sobre filmes, livros, jogos e receitas. Publiquei algumas receitas e dois comentários de filmes e acabei deixando ele de lado. Algum tempo depois ainda cheguei a escrever sobre o figurino de dois filmes, para depois abandoná-lo novamente por um bom tempo. Nesse meio tempo acabei utilizando o Twitter para fazer rápidos comentários sobre os filmes que havia assistido. No começo desse ano de 2013, resolvi organizar esses comentários e ao invés de postá-los no twitter, colocá-los em posts públicos em meu perfil do Google+. Percebi que essa era uma maneira ineficiente de lidar com os escritos, então resolvi voltar a esse bom e velho (e empoeirado) espaço. De lá pra cá, praticamente parei de jogar videogame, não tenho escrito muito sobre livros e resolvi não postar mais receitas, mas a ideia do blog permanece  a mesma.

Vou fazer uma retrospectiva dos posts que mais ajudaram nesse número. As receitas se saíram melhor por estarem a mais tempo no ar. Abaixo seguem os posts mais acessados.

Dez posts mais acessados desde o retorno do blog:

10º Duro de Matar

Hamlet

8º (empatados!) Oblivion , As Aventuras de Robin Hood e In The Flesh

7º A Princesa Prometida

6º As Aventuras de Pi

A Origem dos Guardiões

4º Gambá- Os Tambores da Floresta

3º Figurino: A Princesa Prometida

2º Mauss Segundo suas Alunas

1º Figurino: Django Livre

Por essa nem eu esperava! Acho que preciso escrever mais sobre figurinos, pelos visto.

Agradeço a todos que leem o Estante da Sala e espero que continuem acessando-o para que ele cresça ainda mais. Curtam a página no Facebook e comentem! 🙂

Obrigada!

Tintim!

Share
Category: Cinema, Figurino, Livros, Televisão | Tags: