Livro: Corpo e Alma – boxe, corpo, capital e cinema

(aliteração não intencional no título, mas vou deixar assim mesmo)

Esses dias caiu nas minhas mãos o livro Corpo e Alma- Notas etnográficas de um aprendiz de boxe, escrito pelo sociólogo francês Loïc Wacquant. A etnografia, bastante interessante, trata do trabalho de campo do autor, que se mudou em 1988 para trabalhar na universidade de Chicago e foi morar na divisa do que chama de “gueto” da cidade, uma bairro pobre e de população majoritariamente negra. Sua ideia original era pesquisar questões raciais no local, mas, como frequentou entre esse ano e o de 1991 a academia de boxe comandada pelo treinador DeeDee, acabou mudando seu tema para a prática do esporte. E claro que questões étnico-raciais e econômicas aparecem constantemente na obra, afinal o ele era o único homem branco que treinava no local e o bairro era afetado pelas consequências da baixa renda de seus moradores. Para se ter noção, ao preencher a inscrição, a maior faixa de renda disponível para assinalar era menos que a metade da renda média do município. A prática do esporte é intrinsecamente ligada à situação financeira de seus praticantes e por isso explica que, cronologicamente, os grupos que predominaram no esporte foram os irlandeses, seguidos por judeus do leste europeu, italianos, afro-americanos e, por fim, os latinos. Todos esses foram grupo historicamente excluídos no contexto da sociedade americana.

O velho treinador DeeDee
O velho treinador DeeDee

Para Wacquant, a academia funciona numa relação de oposição com as ruas. Muitos jovens que chegam para treinar o fazem porque são bons de briga nos espaços públicas, mas ali precisam aprender a lidar com regras bastante específicas de treinamento e condicionamento, que os afastam do que é tratado como violência desregrada, além de proporcionar uma perspectiva de carreira. O treino é longo, praticamente diário e muito repetitivo. Mas as aulas nunca envolvem ensinamentos, livros, vídeos de análise de outros lutadores ou outras tecnologias: o aprendizado ocorre como que por imitação. Quando a academia está lotada, cada um se espelha no movimentos dos companheiros mais avançados, até que os movimentos se tornem intuitivos, como uma extensão do corpo do aprendiz.

O corpo, nesse contexto, é entendido como um capital finito: um aprendiz leva de dois a três anos para se tornar boxeador amador e então mais três anos pra se tornar lutador profissional. Embora esse seja o objetivo da maioria, nem todos sabem administrar esse recurso e o desperdiçam em treinos excessivamente pesados ou lutas desnecessárias, de maneira que quando finalmente alcançam a patamar da profissionalização, já estão desgastados e “acabados”, nas palavras de DeeDee.

O rigor controlado que envolve os treinos é um dos motivos pelos quais o autor refuta a teoria do “boxeador faminto”, aquele que vem de uma situação financeira desprivilegiada e luta com garra para melhorar de vida. Segundo ele, o que se vê é que embora o bairro seja pobre, quem realmente consegue manter uma boa rotina de treino com a regularidade necessária para a profissionalização são aqueles que tem as finanças mais estáveis dentre eles. Isso porque só assim conseguem vir todos os dias à academia, sem precisar procurar bicos ou jornadas duplas, além de manter uma boa alimentação, também necessária.

O próprio Wacquant, ao término de três anos de treino, participou de um torneio amador de boxe e o último capítulo do livro se dedica a relatar a sua experiência. É interessante pensar que o trabalho de campo dele consistiu em mais do que observação participante: ele precisou experienciar os treinos, sentir nos seus músculos, entender as posturas, lidar com olhos roxos, enfim, treinar o seu corpo, interligando, assim, a prática com a racionalização teórica sobre ela.

Wacquant boexando.
Wacquant boxeando.

O pesquisador recomenda o filme Cidade das Ilusões (Fat City, 1972), dirigido por John Huston, como sendo um que realmente capta o clima de uma academia e o transfere para a tela. O filme narra a trajetória de dois boxeadores em momentos distintos de suas carreiras e realmente é possível nele visualizar o tipo de ritual relatado no livro: o sparring (luta de treino), os sacos de pancada, as sequências monótonas de exercícios, o chegar ou não ao objetivo por detalhes, estão todos lá. Mas também não deixo de lembrar do recente Chi-Raq (2015), de Spike Lee, que justamente trata sobre a juventude das áreas pobres e negras de Chicago e a violência nas ruas.

Fat City 1972 chi-raq

Nos escritos de Loïc Wacquant o corpo aparece como um instrumento e uma extensão do próprio raciocínio de seus personagens (e dele mesmo) e o esporte como uma prática ritual que o leva á expressão do instinto. A escrita etnográfica é fluida e muito acessível. Ele chega, mesmo, a contar com certo desdém a história de um editor que se ofereceu publicar seu “romance”, acreditando que o trabalho tratava-se disso. Mas embora o texto possa parecer romanceado, nas entrelinhas se aprende muito sobre os temas-chave abordados e mesmo que esses temas não sejam de especial interesse para o leitor (e não o eram para mim), há muito que se aprender com ele.

corpo e alma

Share

Isabel Wittmann

Catarinense, 33 anos, louca por bichos, feminista. Hoje mora em São Paulo, mas já passou uns anos no Amazonas. Crítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, podcaster e pesquisadora de gênero.