Edifício Master (2002) e Um Dia na Vida (2010)

Assistidos em 07 e 08/02/2014.

Edifício Master e Um Dia na vida são ambos documentários do diretor Eduardo Coutinho, mas com abordagens quase que opostas.

Quando estava em minha graduação em Arquitetura, muito se frisou não só a importância, mas a necessidade de jamais esquecer do fator humano em relação à obra construída. Um edifício só existe por que pessoas o habitarão ou trabalharão nele. Ele existe para ser ocupado e só adquire significação através dessa ocupação. Edifício Master é um mergulho na vida dos moradores do prédio homônimo, localizado em Copacabana, no Rio de Janeiro. São 12 andares, 276 apartamentos e cerca de 500 moradores. Coutinho e sua equipe habitaram lá por algumas semanas para a realização do filme. Através de conversas com os moradores temos um vislumbre da vida que se manifesta nesse amontoado de tijolos: artistas aspirantes, artistas aposentados, ex-jogadores de futebol, prostitutas, estudantes, viúvos e viúvas. A diversidade de tipos enriquece o cotidiano. Com grande humanidade Coutinho desenterra histórias e pequenas vivências das suas personagens e com essa coleção nos apresenta um quadro emocionante e rico sobre o prédio. Pouco importa sua arquitetura, sua fachada: Edifício Master só é vivo por causa das pessoas.

Um Dia na Vida é um filme que nunca poderia ser comercializado: Coutinho gravou 19h de programação de televisão aberta brasileira, do começo da manhã até a madrugada e editou-a em um vídeo de pouco mais de uma hora e meia de duração, o que cria problemas de direitos autorais. O filme não possui qualquer tipo de narrador ou apresentação de fatos: o que você vê é simplesmente uma sequência de trechos dos programas de TV, que vão de novelas de pouca qualidade a jornalísticos manipuladores, passando por noticiários policiais e tele-evangelismo. Vários aspectos do filme chamam atenção. Em primeiro lugar a baixa qualidade da programação, especialmente levando-se em conta que a concessão de rádio e TV é pública e deveria atender a interesses comunitários. Depois, ainda levando-se em conta o aspecto público da concessão, a maneira como as emissoras exibem diversas formas de preconceitos (racismo, classismo, machismo, etc), sem preocupações maiores em relação a isso, prejudicando os próprios cidadãos. A falta de conteúdo crítico e educativo é patente e o entretenimento vazio, o voyeurismo e o incentivo ao consumismo (mesmo para as faixas etárias mais baixas) se faz presente em todos os horários. É interessante como esquece-se que se está assistindo um documentário: em certos momentos parece que estamos com a televisão ligada naquela programação e chega a causar certo desconforto a (baixa) qualidade do que se vê. Vencer o tempo de duração do filme é uma tarefa extenuante. O que temos aqui é a desumanização do expectador, que encolhe diante do que vê e torna-se impotente, sem poder de controle sobre o que o televisor projeta em sua direção. A única opção é o botão de desligar o aparelho. Essa é a programação que a maioria absoluta da população brasileira tem acesso diariamente, (des)educando e provocando escapismos.

Entre mostrar a vida que percorre os corredores e cômodos de um edifício e a letargia que nos consome ao sentarmos em frente a uma TV, Eduardo Coutinho produz documentários que são sobre o ser humano. Nós estamos em primeiro plano nessa obra e somos, ao mesmo tempo, a chave para o entendimento do que se vê.

Edificio_Master

Share

Isabel Wittmann

Catarinense, 33 anos, louca por bichos, feminista. Hoje mora em São Paulo, mas já passou uns anos no Amazonas. Crítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, podcaster e pesquisadora de gênero.