Intriga Internacional (North by Northwest/ 1959)

Assistido em 15/09/2013

Clássico dirigido por Hitchcock, Intriga Internacional nos prende à aventura do homem comum que se vê deslocado para dentro de um mundo de mentiras e espionagens. Cary Grant é George O. Thornhill, o homem que é confundido com um espião internacional chamado George Kaplan em plena Guerra Fria. Após um começo frenético em que é levado a uma mansão, pretendem convencê-lo a trabalhar para eles (mas que “eles”?) e após sua recusa, tentam matá-lo de uma forma que pareça morte natural. George sobrevive e resolve fazer parte do jogo, fingindo-se espião para tentar descobrir o que está acontecendo. Em meio a sua jornada, conhece a bela Eve Kendall (Eva Marie Saint), que depois descobrirá fazer parte de toda essa intrincada trama. Sei que é clichê, mas Eve é uma perfeita loira de Hitchcock. Extremamente fria e série, veste terninhos impecáveis e com pouco sex appeal. Apesar disso é uma das que mais expressam sua sexualidade, ainda que dentro dos limites da censura da época. Afinal, não é toda mocinha de filme da década de 50 que convida o co-protagonista para dormir em sua cabine de trem no primeiro dia em que se conhecem, com diálogos cheios de insinuações (e o que aconteceu fica por conta do expectador imaginar).

O filme conta com algumas cenas bastante famosas. Uma delas o é por ser um erro de gravação memorável: durante a sequência no restaurante em que há um tiroteio, um menino nos fundos cobre as orelhas antes do mesmo começar.

Outra cena, copiada, adaptada e referenciada à exaustão por filmes posteriores, é aquela em que George é perseguido por um avião próximo à uma lavoura.

Intriga Internacional envelheceu bem e tem uma trama ainda bastante interessante, executada de maneira elegante por Hitchcock. A saga do herói comum que se alça ao desconhecido é sempre bastante atraente. As atuações são bastante boas e destaco o papel de Jessie Royce Landis como a sarcástica mãe do protagonista. O desfecho funciona de maneira engenhosa e casa com o restante da trama. Um clássico, deveras.

north_by_northwest_xlg

Share

Isabel Wittmann

Catarinense, 33 anos, louca por bichos, feminista. Hoje mora em São Paulo, mas já passou uns anos no Amazonas. Crítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, podcaster e pesquisadora de gênero.