Orgulho e Esperança (Pride, 2014)

Não pretendia escrever sobre esse filme aqui no blog, uma vez que já o havia feito em poucas palavras no Letterboxd, mas mudei de ideia. Esse é um filme que merece ser falado e espalhado. Não é que seja uma obra prima ou que vá deixar o expectador sem ar diante de sua técnica impecável: é que trata-se de uma obra necessário, que introjeta otimismo em quem o assiste.

A trama é baseada em uma história que ocorreu no Reino Unido em 1984: os mineradores do País de Gales entraram em greve por melhores condições de trabalho e tiveram seu salários cortados. As famílias não tinham como se sustentar e receberam ajuda inesperada de um grupo de jovens londrinos intitulados Lesbians and Gays Support the Miners (Lésbicas e Gays Apoiam os Mineiros), que fizeram campanhas de arrecadação de dinheiro para ajudar os trabalhadores e suas famílias. Para além dos estranhamento inicial que partiu destas, houve o discurso de que estavam unidos nas dificuldades, uma vez que ambos os grupos eram alvos de violência policial e de repressão do governo Tatcher.

A película dirigida por Matthew Warchus se destaca pela simpatia do próprio material de origem e pelas boas atuações de nomes conhecidos do cinema britânico, como Imelda Staunton, Bill Nighy e Andrew Scott; aliados a atores mais jovens, mas também competentes. Mas o que realmente encanta em Pride é o otimismo com que a história se desenrola e a visão tão bonita de que união e solidariedade sempre podem trazer grandes benefícios para a luta por igualdade em nosso meio social.

PRIDE-Final-Poster1

Share