[43ª Mostra de São Paulo] Babenco: Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer Parou (2019)

Esta crítica faz parte da cobertura da 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 17 e 30 de outubro na cidade.

Hector Babenco é um cineasta argentino que atuou no Brasil com grandes sucessos, tanto quanto se trata de público, quanto crítica. O filme foi premiado como o Melhor Documentário sobre Cinema no Festival de Veneza, mas não necessariamente fala sobre a obra do diretor, como tal fato pode levar a entender. Dirigido por Bárbara Paz, que também foi sua companheira nos últimos anos de vida, temos um recorte específico do homem por trás da arte.

Babenco estava morrendo. Assim mesmo, no gerúndio. Foram décadas entre o diagnóstico (e o prognóstico negativo) e a derradeira despedida. Em cena, ele mesmo brinca com o fato de que, como uma fênix, sempre ressuscita, até o dia em que não mais o fará. E é em meio a esse processo que Paz resolve registrá-lo, próximo e humano.

Assim aprendemos que se fixou no Brasil porque aqui a realidade, para ele, supera a ficção mais do que na Argentina. Também contou do êxito com O Beijo da Mulher Aranha, em 1985, quando se descobriu doente, o trabalho posterior com Meryl Streep e Jack Nicholson e a forma como filmou Brincando nos Campos do Senhor, lançado em 1991, com mais de 40 pontos espalhados pelo corpo.

Mas no final, pouco disso importa para o documentário. Filmado em preto e branco, retratando com realismo o rosto marcado de Babenco, Paz nos mostra os pequenos momentos quase banais da rotina do casal, como quando ele, impaciente mas carinhosamente a ensina a fazer o foco na câmera ou quando a mão dela dança em cima da dele, parada. Além disso revela o amor dele pelo cinema até o final, quando cantarola Cheek to Cheek, da trilha de O Picolino, no seu quarto do hospital ou quando realiza o desejo de filmar uma última cena de Bárbara, literalmente cantando na chuva.

Babenco é um longo e afetuoso adeus, filtrado pelo amor de sua autora pelo seu retratado. Nele somos confrontados com o desejo pelos pequenos e últimos prazeres, da comida com sabor, dos encontros com amigos, da possibilidade de contar histórias para viver. Com a câmera fechada no rosto de seu personagem, estamos próximos a ele. Ainda assim, é possível que ao fim do documentário não tenhamos aprendido mais nem sobre o diretor nem sobre sua obra. Porque não é disso que se trata. Babenco: Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer Parou é um belo exercício, por vezes tímido e hesitante, mas ao mesmo tempo intenso e carinhoso, sobre o morrer compartilhado.

Nota: 4 de 5 estrelas
Share

[43ª Mostra de São Paulo] Sugestões de filmes

Estamos entrando na segunda semana de Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Se você não sabe ainda o que assistir, separei alguns filmes dirigidos, roteirizados ou protagonizados por mulheres como sugestão. Confira a lista:

Babenco- Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer Parou (2019), dirigido por Barbara Paz

Vencedor do prêmio de melhor documentário sobre cinema no Festival de Veneza, trata da vida do cineasta Hector Babenco.

Quando será exibido:

Sexta-feira, 25/10 CINEARTE 1 19:15

Cães do Espaço (Space Dogs, 2018), dirigido por Elsa Kremser e Levin Peter

Documentário que traça um paralelo entre os animais utilizados durante a corrida espacial e os cachorros que vivem hoje nas ruas de Moscou.

Quando será exibido:

Terça-feira, 22/10 SESC BELENZINHO 19:00

Quarta-feira, 30/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 3
19:10

Uma Colônia (Une Colonie, 2018), dirigido por Geneviève Dulude-De Celles

Filme de crescimento em que uma adolescente tímida que começa o ensino médio fica amiga de um jovem indígena em sua classe. Vencedor do Urso de Cristal de melhor filme na seção Generation Kplus no Festival de Berlim.

Quando será exibido:

Segunda-feira, 21/10 INSTITUTO CPFL – SALA UMUARAMA 19:00

Sábado, 26/10 RESERVA CULTURAL – SALA 1 20:20

Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia (Gospod Postoi, Imeto I` E Petrunja, 2019), dirigido por Teona Strugar Mitevska

Uma mulher ousa participar de um ritual religioso do qual apenas homens tomam parte. Vencedor do Prêmio do Júri Ecumênico no Festival de Berlim.

Quando será exibido:

Sexta-feira, 25/10 PETRA BELAS ARTES SL 1 VILLA LOBOS 21:30

Sábado, 26/10 CINESALA 19:40

Domingo, 27/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – AUGUSTA SALA 1 15:40

Segunda-feira, 28/10 CINESESC 15:50

Terça-feira, 29/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 3 17:00

Dente de Leite (Babyteeth, 2019), dirigido por Shannon Murphy

Uma jovem doente resolve viver a vida do seu jeito, para desespero dos seus pais, uma vez que não tem nada a perder.

Quando será exibido:

Segunda-feira, 21/10 CINEARTE 1 16:20

Terça-feira, 22/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 1 19:40

Sexta-feira, 25/10 CINESALA 17:50

Quarta-feira, 30/10 CINESESC 20:15

Honeyland (2018), dirigido por Tamara Kotevska e Ljubomir Stefanov

Documentário sobre Hatidze, uma mulher de mais de cinquenta anos que mora isolada na Macedônia e cria abelhas para produção de mel. Vencedor do Grande Prêmio do Júri da seção World Cinema de documentários no Festival de Sundance. Submissão da Macedônia do Norte para concorrer a uma vaga no prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar.

Quando será exibido:

Segunda-feira, 21/10 CINESALA 17:45

Quarta-feira, 23/10 CINESESC 22:15

Sábado, 26/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 1 20:15

La Mala Noche (2019), dirigido por Gabriela Calvache

Dana é uma mulher que se prostitui para sobreviver, em virtude da doença de sua filha, mas um acontecimento inesperado faz tudo mudar. Submissão do Equador para concorrer a uma vaga no prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar.

Quando será exibido:

Quarta-feira, 23/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 2 22:00

Merata: Como Minha Mãe Descolonizou a Tela (Merata: How Mum Decolonised the Screen, 2019)]

Documentário sobre a cineasta e documentarista Merata Mita, primeira mulher maori a dirigir longas metragens na Nova Zelândia.

Quando será exibido:

Sábado, 26/10 CINESALA 17:50

Quarta-feira, 30/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 2 15:50

Os Olhos de Cabul (Les Hirondelles de Kaboul, 2019), dirigido por Zabou Breitman

Animação baseada no livro de Yasmina Khadra, retrata um casal de enamorados em Cabul em 1998.

Quando será exibido:

Domingo, 27/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 2 22:10

Segunda-feira, 28/10 CINEARTE 1 14:30

Terça-feira, 29/10 PETRA BELAS ARTES SL 1 VILLA LOBOS 17:30

Quarta-feira, 30/10 CINESESC 16:00

Papicha (2018), dirigido por Mounia Maddour

Nedjema e suas amigas tentam a todo custo ter uma vida normal em meio a ascensão do conservadorismo e das imposições religiosas na guerra civil no final dos anos 1990. Submissão da Argélia para concorrer a uma vaga no prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar.

Quando será exibido:

Terça-feira, 22/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – FREI CANECA 2 17:30

Sábado, 26/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – AUGUSTA SALA 1 14:00

Segunda-feira, 28/10 CINESALA 19:45

System Crasher (2019), dirigido por Nora Fingscheidt

Benni é uma menina raivosa e violenta, com a qual nenhum profissional consegue lidar. Vencedor do Prêmio Alfred Bauer no Festival de Berlim. Submissão da Alemanha para concorrer a uma vaga no prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar.

Quando será exibido:

Quinta-feira, 24/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – AUGUSTA SALA 1 19:40

Sábado, 26/10 RESERVA CULTURAL – SALA 1 15:50

Teerã Cidade do Amor (Tehran: City of Love, 2018), escrito por Maryam Najafi e Ali Jaberansari

Três estranhos que vivem sua solidão na cidade de Teerã, em uma mistura de drama com elementos de comédia romântica.

Quando será exibido:

Sexta-feira, 25/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – AUGUSTA ANEXO 4 19:45

Segunda-feira, 28/10 ESPAÇO ITAÚ DE CINEMA – AUGUSTA SALA 1 14:00

Quarta-feira, 30/10 CINESALA 21:40

Share