Tag Archives: Chris Hemsworth

Thor: o Mundo Sombrio (Thor: the Dark World/ 2013)

Assistido em 12/02/2014.

Serei breve nesse comentário. Nessa sequência dirigida por Alan Taylor, o que não faltam são referências. O filme já começa com uma cena de batalha saída diretamente de Senhor dos Anéis, envolvendo Asgardianos e uns Dark Elves. Entre os amigos de Thor, está uma espécie de Xena, além de Zachary Levi, quase irreconhecível. Thor (Chris Hemsworth) volta para Jane (Natalie Portman) e leva-a para Asgard, onde protagonizam cenas românticas tiradas da nova trilogia de Star Wars, no balcão do palácio. Em determinado momento temos O Vôo do Navegador e até inimigos saídos de Power Rangers. E a primeira cena pós créditos tem um tom de Dr. Who com uma pitada de Harry Potter. Está bom ou quer mais? Foi até divertido coletar tantas e tão óbvias referências.

Sobre o filme, de maneira resumida: o vilão, como sempre em se tratando de heróis de quadrinhos, promete muito e pouco faz. Jane tem mais participação. Loki (Tom Hiddleston) está ótimo como sempre. O filme tem mais humor que o primeiro, indo por uma linha mais próxima de Vingadores. Direção e narrativa são irregulares e inconsistentes. Os coadjuvantes (especialmente Kat Dennings, mas também Stellan Skarsgård) funcionam muito bem como alívio cômico. A trama pouco importa. Os personagens já tem tanta vida própria que é de se admirar que não consigam criar nada melhor para explorá-los. Sem esperar muita coisa, dá para se divertir.

thor_the_dark_world

 

Share

Rush – No Limite da Emoção (Rush/2013)

Assistido em 27/12/2013.

O diretor Ron Howard nunca foi exatamente um diretor ousado. Não é em Rush- No Limite da Emoção que se permite ser. Mas, nos entrega um filme eficaz, bem realizado e bonito. E quando falo “bonito” não não me refiro a uma suposta moral da história ou mensagem ou mesmo a história em si. Trata-se de de uma bela recriação de época, em que todas as roupas parecem saídas da década de 1970 sem ter a aparência de fantasias, além de ter uma fotografia precisa.

A trama aborda a rixa entre os pilotos de Fórmula 1 James Hunt (Chris Hemsworth), inconsequente e impulsivo e Niki Lauda (Daniel Brühl), sério e preciso, durante o período já citado. Pode parecer o velho maniqueísmo de sempre entre a técnica e a paixão, mas ambos os atores encarnam bem seus personagens e, mesmo Lauda sendo o herói da história, não são retratados de maneira maniqueísta: ambos são humanos e fáceis de gostar, cada um ao seu jeito. As cenas de corrida propriamente ditas são muito bem feitas, mas não são o ponto mais importante da história, que é justamente as relações interpessoais. Por isso não é necessário apreciar automobilismo para fazer o mesmo com a película. Muitas partes do roteiro não aconteceram na vida real, mas é natural em uma cinebiografia querer aumentar o fator dramático.

Embora não seja ousado, Ron Howard eventualmente acerta bonito. Rush é sem dúvida uma obra muito bem executada e um pipocão de primeira qualidade.

RUSH-poster

Share