Tag Archives: cinemaemcena

Alien: Covenant (2017)

“Meu nome é Ozymandias, rei dos reis:
Contemplem minhas obras, ó poderosos, e desesperai-vos!”
Nada resta: junto à decadência
Das ruínas colossais, ilimitadas e nuas
As areias solitárias e inacabáveis estendem-se à distância.

Percy Shelley- Ozymandias

Dirigido novamente por Ridley Scott, Alien: Covenant se apresenta como uma continuação direta de Prometheus, ainda que aquele não se assumisse como um filme Alien. Dessa vez o terror é deslocado do alien em um cenário hermético para o anseio por criar, que nos definiria humanos, fazendo uso de um design de produção interessante (incluindo a criação de um planeta e suas edificações, além de protótipos falhos de seres vivos) é uma edição de som competente.

Ao final daquele filme, a doutora Elizabeth Shaw (Noomi Rapace) e o androide David (Michael Fassbender), únicos sobreviventes da nave Prometheus, decidem se deslocar para o planeta dos Engenheiros em busca de respostas a respeito da origem da humanidade. Passados dez anos anos, a tripulação de uma nave de colonização está a caminho de um planeta localizado ainda há cerca de sete anos de viagem. Levam com eles mais de dois mil colonos, para ocupar aquela atmosfera parecida com a da Terra. No meio do caminho detectam um planeta com sinais de vida que parecem humanos e ambiente apto para viver. Vem a decisão de explorar o local pela possibilidade de encurtar o tempo de viagem. Em uma manobra um tanto quanto preguiçosa de roteiro, esse local coincidentemente é o mesmo planeta dos Engenheiros e o grupo novo se encontra com David. Aliás, não só a coincidência é forçada, como o filme aqui repete a mesma estrutura utilizada no filme anterior: a equipe de exploração que vai ao solo, os problemas de comunicação, os dois que se separam dos demais e aí tudo se complica.

O David encontrado pelos humanos é literalmente um reflexo distorcido no espelho, alterado pelo tempo de solidão. Em contato com os colonos, volta a se humanizar, como que se adequando àquilo que lhes é aceitável. Em um flashback o vemos despertando para a vida e conversando com Weyland (Guy Pierce), seu criador. Pergunta quem criou o humano e esse não sabe responder. O androide fica perplexo com essa falta de resposta. Quando conhece Walter (também Michael Fassbender), o androide que acompanha Daniels (Katherine Waterson) e que é que uma versão sua mais atualizada, ele afirma que Weyland era humano, indigno de sua criação. É nesse ponto que seu posicionamento fica claro: uma intensa vontade de conhecer a real origem da humanidade e o desprezo pelo conhecimento incompleto de seu criador. Nesse momento o filme chega, mesmo, a dialogar com Blade Runner.

Em Prometheus fica claro que David age com uma consciência própria, buscando responder suas próprias perguntas. Aqui isso se desdobra: David não só segue uma vontade própria de se alimentar de conhecimento: ele quer se diferenciar dos demais androides através da criação. A beleza de compor uma música, de escrever um poema, de fazer algo com suas mãos atendendo a um ímpeto que parte da noção de si é o que lhe fascina. Então quando David explora essas ações de criação ele age como sujeito pleno, que se aproxima dos humanos. Walter foi atualizado para não criar: a criação demonstra uma abstração e é um impulso que perturba os humanos ao testemunharem-na em um não-humano.

A visão criacionista de mundo da doutora Shaw é substituída pela criação enquanto domínio da técnica, expressão da arte e expressão de terror. Não por isso o filme deixa de ter alegorias religiosas: aparecem o beijo de Judas antes da traição, o retrato da Santa Ceia reproduzindo aquele de Leonardo da Vinci, culminando nos embriões de Adão e Eva sendo transportados para o Paraíso.

Por fim, ao destruir quem criou seu criador, David se torna muito mais: ele se coloca acima de uma humanidade indigna daquilo que cria. David questiona Walter, perguntando se ele preferia reinar no Inferno ou servir no Paraíso. Ele encontra sua resposta na possibilidade de reinar no Paraíso. A criatura se torna deus por meio da engenharia genética e justamente adentra o Paraíso ao som da música dos deuses que marcham para Valhalla.

Apesar da preguiça com que as decisões-chave dos humanos são tratadas no roteiro, do plot twist previsível e das cenas de ação confusas e enfadonhas, mas ainda com um suspense que funciona, o filme trata de questões importantes. Nesse sentido, chega mesmo a ampliar e qualificar Prometheus, ao dar um sentido a alguns temas presentes lá, conectando-os ao filme original.  É possível que ninguém ou pouca gente tenha se perguntado sobre eles em 1979, mas agora que as perguntas estão lançadas, são satisfatórias. Alien: Covenant não é, portanto, uma prequela necessária. Mas desestabilizando os sentidos de divindade, humanidade e criação, o filme desloca o terror da morte para o surgimento, e do desconhecido para a busca por respostas, mostrando-se pelo menos interessante em suas discussões.

 

Dicas Netflix Maio

Gente, esqueci completamente de fazer as dicas para o mês de abril! Pior: essa lista era para ter ido ao ar no dia 5, ou seja, estou com a cabeça nas nuvens em relação ao blog. Vou tentar me redimir dando algumas indicações extras.  Os links levam diretamente aos filmes no serviço de streaming.

Drácula de Bram Stocker, uma obra prima de baixo orçamento dirigida por Francis Ford Coppola e com um visual incrível.

Era Uma Vez no Oeste (C’era una volta il West, 1968)

Drácula de Bram Stoker (Dracula, 1992)- Escrevi sobre o filme aqui e aqui.

Os Doze Macacos (12 Monkeys, 1995)- Escrevi sobre o filme aqui.

De Olhos Bem Fechados, o último (e subestimado) filme do Kubrick

Fargo- Uma Comédia de Erros (Fargo, 1996)

Regras da Vida (The Cider House Rules, 1999)

De Olhos Bem Fechados (Eyes Wide Shut, 1999)- Escrevi sobre o filme aqui.

Dirigido por David Fincher, Zodíaco é tem uma trama interessante e ótimas atuações.

Sobre Meninos e Lobos (Mystic River, 2003)

Meninas Malvadas (Mean Girls, 2004)

Zodíaco (Zodiac, 2007)

Amantes (Two Lovers, 2008)

Tilda Swinton e Tom Hiddleston vivem um amor que ultrapassa as fronteiras do tempo em Amantes Eternos, de Jim Jarmusch

O Lutador (The Wrestler, 2008)

O Duplo (The Double, 2013)- Escrevi sobre o filme aqui.

Amantes Eternos (Only Lovers Left Alive, 2013)- Escrevi sobre o filme aqui e aqui.

Ela (Her, 2013)- Escrevi sobre o filme aqui.

Alicia Vikander estrela, juntamente com Oscar Isaac e Domhnall Gleeson a ficção científica Ex Machina, vencedora do Oscar de Efeitos Especiais.

O Abutre (Nightcrawler, 2014)

Ex_Machina: Instinto Artificial (Ex Machina, 2014)

Five Came Back (2017)

Bons filmes e até o mês que vem!

Category: Cinema | Tags: , ,

Filmes assistidos em Abril

 

Não me recordo de ter tido um mês com tão poucos filmes vistos, pelo menos desde quando comecei esse espaço no blog. A questão é que o doutorado está me exigindo muito tempo (o que era de se esperar) e ainda há diversas séries pedindo por atenção. Assisti à última temporada inteira de Girls e à maravilhosidade que é Feud: Joan and Betty; comecei The Handmaid’s Tale e Five Came Back e Big Little Lies e retomei Fargo. A televisão roubou o tempo do cinema (e os livros o tempo dos dois). De qualquer maneira, quero muito férias. Emendar o mestrado com o doutorado sem nenhum intervalo, mais a mudança pro outro lado lado do país, já está cobrando seu preço. Vamos ver como chego ao final do ano.

 

Norah Ephron para Feito por Elas:

Julie & Julia (2009) ★★★½

Silkwood- O retrato de uma coragem (Silkwood, 1983) ★★★½

Everything is Copy (2015) ★★★½

 

Juliana Rojas para Feito por Elas: 

Trabalhar Cansa (2011) ★★★★

Sinfonia da Necrópole (2014) ★★★★

 

Lançamentos:

Paterson (2016) ★★★★½

Fragmentado (Split, 2016) ★★★★

Guardiões da Galáxia vol. 2 (Guardians of the Galaxy vol.2, 2017) ★★★½

 

Demais:
Os Desajustados (The Misfits, 1961) ★★★★

O Nome da Rosa (In the Name of the Rose, 1986) ★★★

Eu, Daniel Blake (I, Daniel Blake, 2016) ★★★★

Sete Minutos Depois da Meia-Noite (A Monster Calls, 2016) ★★★★

A Loja da Esquina (The Shop Around the Corner, 1940) ★★★★

O Ornitólogo (2016) ★★★★

Tomates Verdes Fritos (Fried Green Tomatoes, 1991) ★★★½

Rastros de Ódio (The Searchers, 1956) ★★★

Nossa Hospitalidade (Our Hospitality, 1923)

 

17 filmes assistidos

Category: Cinema | Tags: ,

A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell (Ghost in the Shell, 2017)

Um ciborgue é um organismo cibernético, um híbrido de máquina e  organismo, uma criatura de realidade social e também uma criatura de ficção.[…] Com o ciborgue, a natureza e a
cultura são reestruturadas: uma não pode mais ser o objeto de apropriação ou de incorporação pela outra (HARAWAY, 2009 p.36-39).

O mangá Ghost in the Shell, um marco para o cyberpunk, que já havia sido adaptado em anime com O Fantasma do Futuro, de 1995, agora recebe sua versão com atores, A Vigilante do Amanhã, protagonizada por Scarlett Johansson. É difícil não analisar ambas as obras em paralelo, já que fazem leituras diferentes de uma mesma fonte comum. Ficção científica com pitadas de ação, a narrativa do novo filme trata de um futuro distópico em que a Major (Johansson) possui um corpo cibernético, chamado de concha (shell), especialmente construído para receber seu cérebro após um acidente em que quase morreu. O cérebro, aqui, representa a individualidade do ser humano, sendo entendido como uma espécie de equivalência à alma (ghost). Major é a primeira de seu tipo: uma soldada perfeita para o combate ao crime, com um corpo artificial, mas humano. Ela encarna o mais próximo que um ciborgue pode chegar de um androide, ou seja um humano híbrido de um humanoide artificial. Sua crença em Hanka, a empresa que a criou, é desafiada quando entra em cena Hideo Kuze (Michael Pitt), que quer se vingar da empresa, que acusa de ter roubado sua vida.

Um dos pontos fortes de ambos os filmes é o visual. O anime, especificamente, empresta referências de Blade Runner, tratando-o como um antecessor espiritual e projetando referências a um futuro que é, sim, androide, mas mais que é isso é ciborguizado e conectado em rede. É fácil perceber como a estética foi absorvida pelas irmãs Wachowski, resultando, através da combinação de outros elementos, em Matrix. O filme segue as referências a Blade Runner, mas abstém-se de replicar o que já havia sido digerido por Matrix.Temos uma cidade cosmopolita preenchida com arranha-céus e adornada de neons e hologramas publicitários.

Outro ponto forte das adaptações são as discussões pertinentes que suscitam, mas a encarnação de 2017 sai perdendo ao personalizar as motivações e se afastar não só das maiores reflexões (expostas em diálogos elaborados no anime), como alterando em parte o sentido destas. Entretanto são trabalhados pontos importantes, ainda que de maneira superficial e apressada. A dúvida que norteia o roteiro é, afinal, o que nos define como humanos? O que diferencia um corpo artificial lido como humano e outro não? Major é confrontada com a casca de uma gueixa-robô agonizante e seu olhar reflete esse questionamento: se aquele mecanismo é tão artificial quanto o seu, porque os outros a tratam como humana? A resposta supostamente reside em sua alma ou seu cérebro, intacto, mas o próprio filme deixa claro que o corpo pode ser curado quantas vezes for necessário, enquanto o cérebro definha, pode ser hackeado e ter memórias manipuladas. Se aquilo que lhe garante a humanidade é justamente o que não pode ser confiado, como ter certeza de seu status?  Conforme Donna Haraway, esses limites se apagam:

A cultura high-tech contesta – de forma intrigante – esses dualismos. Não está claro quem faz e quem é feito na relação entre o humano e a máquina. Não está claro o que é mente e o que é corpo em máquinas que funcionam de acordo com práticas de codificação. Na medida em que nos conhecemos tanto no discurso formal (por exemplo, na biologia) quanto na prática cotidiana (por exemplo, na economia doméstica do circuito integrado), descobrimo-nos como sendo ciborgues, híbridos, mosaicos, quimeras. Os organismos biológicos tornaram-se sistemas bióticos – dispositivos de comunicação como qualquer outro. Não existe, em nosso conhecimento formal, nenhuma separação fundamental, ontológica, entre máquina e organismo, entre técnico e orgânico (HARAWAY, 2009, p.95)

Mas essa persiste como uma dúvida que atormenta a Major, especialmente quando incentivada a indagar-se a respeito da exclusividade de sua categoria por Kuze. A versão de 2017 é claramente privada dos monólogos sobre o contexto social do conceito de humanidade focando na individualidade: Major se pergunta “quem sou eu”, não o que ela é, fugindo da noção de coletividade que envolve os indivíduos construídos. Mas de toda forma o que a leva a refletir sobre si é a totalidade artificial de sua corporalidade, uma vez que o aprimoramento cibernético dos corpos é entendido como algo corriqueiro.

Seu parceiro de campo, Batou (Pilou Asbæk) perde os olhos em uma explosão e recebe em troca um complexo sistema de lentes muito mais eficiente que as naturais. A prática da ciborguização leva a uma hierarquização dos corpos apresentados: mesmo que os implantes e próteses sejam melhorias, há um personagem que afirma ter orgulho de ser cem porcento humano. Mais que isso, a hierarquização perpassa a noção de humanidade com que as imagens humanoides são dispostos para o espectador. Não há dúvidas de que os gigantes corpos holográficos projetados nas publicidades não correspondem ao que se entende como humano. Acima deles em termos de aproximação com o humano, temos os corpos físicos dos robôs, categorizados como seres sem valor, criados para servir. Em seguida viriam os corpos de seres humanos, que se estabelecem em níveis variados de poder e por fim os próprios ciborgues, fisicamente melhores que estes, embora com a humanidade possivelmente questionada.

E nesse momento é importante mencionar a discussão acerca do whitewashing, ou seja, do apagamento das pessoas não brancas no filme de 2017. Os principais robôs que aparecem em cena tem a forma de gueixas, em uma problemática representação fetichizada e esterotipicamente submissa de raça e etnia, relativizada pela percepção de sua não humanidade, que nesse contexto permitiria sua exploração. A única mulher negra retratada, sem nome, é uma prostituta contratada pela Major, que busca uma forma de tentar se conectar com sua humanidade. No trailer ela beija a mulher, mas a cena foi removida na montagem final. Ainda assim permanece o contexto erotizado, como se a Major buscasse um espelho de si e tentasse encontrar em outro corpo o que tenta sentir em seu, apesar de até então não ter demonstrado nenhum tipo de interesse de cunho sexual ou amoroso. Além disso, se o ser humano é marcado também pela posse do próprio corpo (já que os corpos ciborgues, robôs e holográficos pertencem a corporações), como se encaixa essa personagem anônima na escala de humanidade? Em ambos os casos robôs e humana não-brancas são apresentadas como instrumento de uma sexualização que não lhes pertence. Isso é agravado no segundo caso pelo uso desse corpo com marcação de raça e etnia específica por uma mulher entendida como humana e branca (contextualizada como ausente da mesma marcação).

Por fim, causa incômodo a cena de tiroteio em que dezenas de homens asiáticos são assassinados por pessoas brancas. Como o mangá e anime, o filme manteve o cenário e as influências estéticas e culturais da Ásia, mas o protagonismo ficou com pessoas brancas. Como uma androide com o corpo completamente construído, Major poderia representar qualquer etnia, mas de maneira preguiçosa é apresentada como ocidental. E a explicação para tal fato é conveniente e acaba funcionando como uma tentativa rasa de justificar a escalação. O problema não é o papel ser delegado para Scarlett Johansson especificamente, já que a ficção científica abre margem para essa possibilidade, mas todo o conjunto de representações, contextos e subtextos presentes na obra, que resultam em uma clara percepção de whitewashing. Os entendimentos a respeito de humanidade acabam sendo apresentados de maneira intrinsecamente relacionada a raça e etnia, complexificando involuntariamente a questão principal do filme com a possibilidade de uma leitura racista.

Vestida, ou seja, coberta do que nos é artificial, Major se apresenta, em contraste, como humana. Despida, livre da construção que é o vestuário, com o que parece um corpo nu mas na verdade coberto por um collant composto de placas que lhe permite camuflagem térmica, ela se aproxima de outras formas humanóides não-humanas. Se por vezes humanizamos as coisas, em outras coisificamos ou objetificamos pessoas. A noção de pessoa e de coisa e as imagens que elas produzem (sejam as que estão sendo captadas nas filmagens, sejam as que são o resultado final da película) são indissociáveis.

Torna-se assim possível imaginar uma corporalidade que nada tem a ver com as cisões entre interior e exterior, mas sim com estado alternativo de experiência produzido por acoplamentos entre complexidades. Compatibilidade e não-compatibilidade, portanto, seria o desafio em questão; constituição de corpo conectivo como modo de afetação entre configurações de mundo distintas e suas distintas produções de sentido (CESARINO, 2017, p.12).

Dessa maneira, apesar de alguns problemas aqui apresentados, A Vigilante do Amanhã funciona na medida em que não extirpa de todo as questões apresentadas na versão anterior, questionando as categorias de humano e não-humano, cujos limites são borrados pela ciborguização, e a relação destas com a corporalidade de seus personagens.

 

Referências:

CESARINO, Pedro. Conflitos Entre Pressupostos na Antropologia da Arte: Relações entre pessoas, coisas e imagens. Revista Brasileira de Ciências Sociais. V. 32 n. 93, fev. 2017.
HARAWAY, Donna. Manifesto Ciborgue- Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, Donna; HARI, Kunzru; TOMAZ, Tadeu (org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

 

Filmes assistidos em Março

Chega ao fim o mês de março e já estou preocupada com o ritmo desse ano. Primeiro que um quarto dele já se foi. Depois que meu doutorado começou e devo dizer que já estou exausta. sabia que seria puxado, mas não estava pronta para isso. A novidade boa é que adotei uma cachorrinha, prontamente batizada de Maya, entre outros motivos também em homenagem a Maya Deren. Passada a maratona do Oscar, muitos filmes assistidos foram de pautas do Feito por Elas que estamos adiantando. Seguem abaixo os filmes:

 

52 Filmes por Mulheres: 

Quem Matou Eloá? (2015) ★★★★★

O Mundo Fora do Lugar (Die abhendene Welt, 2015) ★★½

 

Niki Caro para Feito por Elas:

A Encantadora de Baleias (Whale Rider, 2002) ★★★½

Terra Fria (North Country, 2005) ★★★½

McFarland dos EUA (McFarland USA, 2015) ★★★

 

Eliane Caffé para Feito por Elas:

Kenoma (1998) ★★★½

Narradores de Javé (2003) ★★★★

Era o Hotel Cambridge (2017) ★★★★½

 

Maya Deren para Feito por Elas:

Tramas do Entardecer (Meshes of the Afternoon, 1943) ★★★★★

At Land (1944) ★★★★★

Ritual in Transfigured Time (1946) ★★★★

Divine Horsemen: The Living Gods of Haiti (1985) ★★★½

A Study in Choreography for Camera (1945) ★★★★★

Witch’s Cradle (1944) ★★★★

The Very Eye of Night (1958) ★★★★

 

Sarah Polley para Feito por Elas:

Entre o Amor e a Paixão (Take This Waltz, 2011) ★★★★★

Histórias que Contamos (Stories We Tell, 2012) ★★★★★

Longe Dela (Away from Her, 2006) ★★★★

 

Norah Ephron para Feito por Elas: 

Sintonia de Amor (Sleepless in Seattle, 1993) ★★★★

Mens@gem pra Você (You’ve Got Mail, 1998) ★★★★½

 

M. Night Shyamalan:

A Dama na Água (Lady in the Water, 2006) ★★½

Depois da Terra (After Earth, 2013) ★★½

 

Documentários:

Life, Animated (2016) ★★★

Bright Lights: Starring Carrie Fisher and Debbie Reynolds (2016) ★★★½

 

Lançamentos:

A Tartaruga Vermelha (La tortue rouge, 2016) ★★★½

Logan (2017) ★★★½

A Bela e a Fera (Beauty and the Beast, 2017) ★★★★

A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell (Ghonst in the Shell, 2017) ★★★

 

Demais:

De Volta ao Jogo (John Wick, 2014) ★★★★

Moana: Uma Mar de Aventuras (Moana, 2016) ★★★★

A Bela e a Fera (Beauty and the Beast, 1991) ★★★★

Inimigo Público (The Public Enemy, 1931) ★★★★

Barry (2016) ★★★½

O Pecado Mora ao Lado (The Seven Year Itch, 1955) ★★★★½

O Fantasma do Futuro (Ghost in the Shell, 1995) ★★★★

 

35 filmes assistidos

Category: Cinema | Tags: ,