O Regresso (The Revenant, 2015)

O Regresso, dirigido por Alejandro González Iñárritu, é baseado na história real de Hugh Glass (interpretado no filme por Leonardo DiCaprio), guia em uma expedição que estava em busca de peles de animais nos Estados Unidos em 1823. Liderados pelo capitão Andrew Henry (Domhnall Gleeson), a equipe ainda conta com Fitzgerald (Tom Hardy), que tem clara antipatia por Glass desde o início; e Bridger (Will Poulter), um rapaz mais novo e inseguro; entre outros homens. Após ser atacado por um urso e ficar gravemente ferido, Glass é deixado sob os cuidados de Fitzgerald e Bridger, que o abandonam para que morra. Ele tenta sobreviver, apesar das sequelas. No filme Glass foi casado com uma indígena Pawnee que foi morta por homens brancos e tem um filho com ela, Hawk (Forrest Goodluck). O garoto é provocado e sofre com o racismo dos adultos, mas ouve de seu pai que é para ficar calado e se fazer invisível. Além disso, ao contrário da história real, a motivação do protagonista é a vingança, que parece ter sido incluída para tentar injetar um significado maior à sua trajetória e que não necessariamente se encaixa com o restante apresentado.

Com quase duas horas e quarenta de duração, a trama se desenrola lentamente, se detendo no mundo que rodeia Glass em sua jornada de sobrevivência. A natureza é tratada com uma reverência praticamente espiritual: é cruel, mas bela e capaz de salvar. A fotografia sempre competente de Emmanuel Lubezki capta momentos de grande beleza: as árvores que se projetam em direção ao céu como espetos, riachos e rios, neve pingando das folhas, são todos detalhes que são dispostos para serem apreciados, mas que também dizem muito sobre o contexto do mundo que nos é apresentado. Com exceção de uma sequência, só foram utilizadas luzes, naturais ou  artificiais, presentes em cena. Em determinado momento, Glass encontra as ruínas do que um dia foi uma igreja. O espaço já está ocupado novamente por árvores, conotando a relação espiritual do local com a mata, afirmada no momento em que ele abraça um tronco e este pode ser alguém que já se foi de sua vida.

Glass vive em um mundo sem lei e busca por vingança. Sua história faz paralelo com a do chefe Elk Dog (Duane Howard), cuja filha, Powaka (Melaw Nakehk’o), foi sequestrada por homens brancos de origem a princípio não determinada. Os caminhos de ambos se cruzam diversas vezes ao longo da trama. Vingança não é Justiça e ambas as histórias tratam de abordar a diferença. Nesse sentido, Elk Dog poderia ter sua participação aprofundada, para não apenas espelhar a busca do protagonista. Iñárritu tomou o cuidado de não retratar os povos indígenas com os estereótipos comuns de Hollywood, como o guerreiro selvagem ou o ancestral sábio místico. A contratação de atores indígenas, ao invés do usual red face, tão comum em Hollywood, é uma mostra dessa preocupação. Além disso, com as contratações de consultores indígenas e do designer de produção Jack Fisk e da figurinista Jacqueline West (ambos de O Novo Mundo, de Terrence Malick) ajudaram a recriar de forma bastante crível as realidades dos povos originais e dos colonizadores naquele começo do século XIX. Por outro lado, por mais que tenha tido todo esse cuidado, as histórias dos personagens indígenas servem apenas de pano de fundo para o desenvolvimento do herói branco. A esposa morta que aparece em espírito, o filho que vive entre os dois mundos, os antagonistas, a mulher que deve ser salva, o pai em busca de justiça: todos giram ao seu redor. Por esse motivo o filme tem recepção mista entre o público indígena, e entre aqueles que especificamente trabalham com cinema, há quem diga que é uma grande mudança no retrato da violência contra os povos originais pelos que ocuparam suas terras, mas também que não escapa de ter um olhar colonizador.

Se alguns profissionais foram emprestados do filme O Novo Mundo, não é por acaso. Iñárritu, que é conhecido pela solenidade de sua obra, aqui tenta emular a poesia presente nos pequenos detalhes dos filmes de Malick, que também retira um senso de conexão e de espiritualidade de imagens de rara beleza. Mas enquanto em Malick as cenas alimentam o espectador visualmente de maneira singela, aqui Iñárritu faz questão de se mostrar sempre presente. Os planos longos que já começam na ação inicial, grande angulares que captam o entorno e closes que ameaçam quebrar a quarta parede são desvelados de maneira calculada. A câmera não é invisível, pelo contrário: o diretor chama atenção para a habilidade técnica com que trabalha e seus artifícios, externando a presença do equipamento através de respingos de água e sangue ou da respiração que embaça a lente.

Como história de sobrevivência, O Regresso impressiona. Embora as tecnicalidades chamem atenção para si, a história de Hugh Glass é bastante imersiva. A atuação de Leonardo DiCaprio é forte e muito física. A qualidade da maquiagem ajuda, mas é sua expressão tensa e a forma como utiliza o corpo que nos leva a acreditar em cada esgar da sua dor. Tom Hardy é um coadjuvante de peso: domina as cenas em que está presente e seus monólogos são impecáveis. Também é importante destacar a atuação do novato Forrest Goodluck e de Domhnall Gleeson, que tem guiado sua carreira de maneira consistente.

Muitas das críticas a Alejandro Iñárritu são de cunho pessoal e realmente é fácil se deixar seduzir, já que o diretor não cansa de expor a certeza que tem a respeito da própria obra. Em tempos em que a imagem pessoal e a obra não parecem possíveis de se desvincular, sua arrogância não o ajuda. Mas, apesar da polêmica por trás das telas, O Regresso pode não ser leve (assim como a mão que o conduz não o é), mas é um filme bom e tecnicamente bem executado.

3,5estrelas

the revenant

 

 

 

Share

Figurino: O Espião que Sabia Demais- Homens Sisudos e Guerra Fria

Texto originalmente publicado na coluna Vestindo a Cena em 28/08/2013.

É muito comum ouvirmos comentários elogiosos a figurinos de filmes de época recheados com grandes e belos vestidos e filmes de fantasia que extrapolem os limites da nossa imaginação. Mesmo as grandes premiações, com exceções das específicas da área, geralmente tem entre seus indicados apenas filmes que se enquadram nesses dois grupos. Figurinos masculinos ou figurinos contemporâneos raramente despertam o mesmo tipo de comoção. Trabalhá-los significa se entregar a sutilezas que podem passar despercebidas por grande parte do público. Um belo exemplo é O Espião que Sabia Demais (Tinker Taylor Soldier Spy), mistério de espionagem de 2011 adaptado da novela de John le Carré, dirigido por Tomas Alfredson, e com figurino assinado por Jacqueline Durran.

A história se passa em Londres durante a Guerra Fria, na década de 70. Antes de morrer, o líder de um grupo de investigação, Control (John Hurt), revela a suspeita de que um de seus espiões de gabinete seja um infiltrado, passando informações sigilosas para a União Soviética. George Smiley (Gary Oldman) é trazido de volta de sua aposentadoria para investigar os suspeitos. Os personagens principais são exclusivamente masculinos, mas Durran trabalha suas roupas de maneira que cada um tenha uma estética diferenciada. A paleta de cores é bastante restrita: aqui os anos 70 não são feitos de cores fortes e estampas psicodélicas. Tratam-se de senhores de meia idade, com ternos de outras décadas e tonalidades escuras de cinza, marrom e azul-marinho, que casam com toda a ambientação cinzenta e nebulosa. Tudo parece indicar um período de dúvidas, desconfortos, suspeitas e poucas alegrias.

Control aparece algumas vezes e sempre mostra que está à vontade em seu local de trabalho. Certa hora sua gravata tem uma estampa que remeta à textura da espuma de isolamento acústico da sala de reuniões. Em outro momento seu terno é da cor das paredes da sala onde toma decisões. Suas roupas dialogam com sua labuta. Sua casa aparece caótica e quando está nela, ele veste roupão e usa o cabelo despenteado, mesmo quando recebe visitas. Sua vida é seu trabalho e nele que se mostra à vontade.

FIG 01

Smiley é um homem sério e dedicado às suas tarefas. Suas roupas, sisudas, podem ter sido adquiridas em qualquer momento nas duas décadas anteriores e não demonstram nenhum tipo de preocupação em expôr sua personalidade. Não é um homem afeito a mudanças, como fica claro. Sempre veste terno completo (calça, colete e blazer) cinza escuro e um sobretudo claro, além de seus marcantes óculos de aros grossos.

FIG 02

Seu ajudante na investigação, Peter Guillam (Benedict Cumberbatch) é mais jovem e se permite algumas indulgências em relação à moda. Suas calças são boca de sino, seus ternos tendem a ser em cores mais claras e utiliza gravatas azuis claras combinando com o lenço da lapela. Visivelmente ele se preocupa com a própria imagem e não se abstém desses detalhes, mesmo que todos ao seu redor o façam.

FIG 03

Onde o trabalho de Durran fica mais interessante é na composição dos suspeitos. Todos são homens do serviço secreto: precisam ser estáveis e fiéis ao seu Estado, rigorosos e constantes. Uma maneira utilizada para demostrar isso é a partir de suas vestimentas, que não possuem variações na forma, embora cada um siga um estilo que reflita sua própria individualidade. Mas um deles deve ter autoconfiança o suficiente para aceitar o papel de agente duplo e ao mesmo tempo ter uma flexibilidade na forma de agir, adaptando-se e variando conforme as situações, para garantir que não seja descoberto. À partir desse momento haverá revelações do enredo, já que analisarei a forma como o figurino revela o infiltrado.

Roy Bland (Ciarán Hinds) é o mais calado entre os suspeitos. A única característica forte dele é sempre usar insípidos conjuntos de calça social e blazer marrons, com gravatas da mesma cor, sem nenhum tipo de variação.

FIG 04

Toby Esterhase (David Dencik) mantém-se fiel ao hábito de sempre utilizar gravatas borboletas, apresentando um visual retrô.

FIG 05

Percy Alleline (Toby Jones) é mais extravagante e sempre aparece vestindo camisas com padronagens listradas e gravatas com estampas contrastantes.

FIG 07

Assim, por mais mais que os três se vistam de maneira formal , cada um tem uma maneira diferente de lidar com o traje de trabalho, mas se mantêm sempre dentro de um padrão.

E aí chegamos a Bill Haydon (Colin Firth). Haydon aparece em um flashback em uma festa em que está usando uma gravata do mesmo tom de vermelho do vestido de Ann, esposa de Smiley, demonstrando uma ligação maior entre os dois. Ao longo da trama utiliza eventualmente peças que sobressaem-se no conjunto: gravata com estampa paisley, meia vermelha ou uma botina no lugar de sapatos. São detalhes que deixam transparecer uma certa ousadia. Mas ele não mantêm um padrão determinado como os demais: oras veste terno completo, oras aparece sem colete; às vezes está de marrom, às vezes cinza. Não há uma cor ou um corte que o represente especificamente. A cada cena seu estilo muda, sendo apenas pontuado por algum elemento mais chamativo. Ao final, quando descobrimos que ele é o infiltrado, tudo faz sentido, pois essa é a maneira de marcar a sua falta de comprometimento.

FIG 07

FIG 08

Dessa forma, Jaqueline Durran, que já se mostrou competente em obras como Desejo e Reparação e, mais recentemente, Anna Karenina, consegue imprimir suficiente diferenciação entre personagens que a um primeiro olhar podem parecer muito parecidos e ainda demostrar, através da forma como lidam com a estabilidade de suas próprias imagens, aquele que não é fiel ao Serviço Secreto. É deveras um trabalho feito de sutilezas.

Share

O Espião que Sabia Demais (Tinker Tailor Soldier Spy/2011)

Assistido em 16/08/2013

Primeiro filme em língua inglesa de Tomas Alfredson, O Espião que Sabia Demais se passa em Londres, nos 70, durante a paranoia da Guerra Fria. Control (John Hurt) era o responsável por um departamento no auto escalão do MI-6, Serviço Secreto britânico. Antes de morrer, compartilhou com  Jim Prideaux (Mark Strong) a desconfiança que um de seus cinco espiões de gabinete seria um infiltrado que passaria informações para a União Soviética. Prideaux era um agente de campo e em uma ação em Budapeste foi dado como morto. George Smiley (Gary Oldman) é trazido de volta de sua aposentadoria, para, juntamente com Peter Guilam (Benedict Cumberbatch), investigar quais de seus outros quatro colegas é o agente duplo: Percy Alleline (Toby Jones), Toby Esterhase (David Dencik), Roy Bland (Ciarán Hinds) ou Bill Haydon (Colin Firth).

Os anos 70 de Alfredson não são nem coloridos nem psicodélicos: trata-se de um recorte de um tempo cinzento e nebuloso, repleto de senhores de terceira idade negociando com políticos e e analisando papeladas, enquanto outros, como Prideaux e Ricki Tarr (Tom Hardy) se arriscam em campo. O suspense se constrói com sutileza. Não se trata de um filme de ação nem de espiões vigorosos lutando entre si: são conversas, olhares, suspeitas e palavras não pronunciadas.  O mistério é bom, o elenco é fantástico e acredito que o filme não tenha recebido a atenção que merecia à época. Foi ótimo revê-lo.

Para ler uma análise detalhada do figurino de O Espião Que Sabia Demais, acesse esse post.

tinker tailor soldier spy

Share