Tag Archives: Vincente Minnelli

Os 20 melhores filmes vistos pela primeira vez em 2018

Essa lista, que faço todos os anos, são dos melhores filmes que eu vi pela primeira vez no ano e que não são lançamentos. Como sempre, para facilitar, escolhi apenas filmes ficcionais de longa metragem.  Além disso, para abrir espaço à variedade, diretoras e diretores com mais de um filme que preenchessem esse critério tiveram só um listado. Outros filmes com avaliação alta vistos esse ano, mas com direção repetida, serão colocados abaixo. A lista também pode ser conferida no letterboxd. Filmes sobre os quais escrevi ou gravei podcast tem links no título e a ordem da disposição é cronológica.

As Aventuras do Príncipe Achmed (Die Abenteuer des Prinzen Achmed, 1926)

Direção: Lotte Reiniger

★★★★


Sem Novidade no Front (All Quiet on the Western Front, 1930)

Direção: Lewis Milestone

★★★★1/2

Grande Hotel (Grand Hotel, 1932)

Direção: Edmund Goulding

★★★1/2

Mademoiselle Dinamite (Bombshell, 1933)

Direção: Victor Fleming

★★★★

A Roda da Fortuna (The Band Wagon, 1953)

Direção: Vincente Minnelli

★★★★

Disque M Para Matar (Dial M for Murder, 1954)

Direção: Alfred Hitchcock

★★★★

Infâmia (The Children’s Hour, 1961)

Direção: William Wyler

★★★★

Pérfida (The Little Foxes, 1941) ★★★★

As Duas Faces da Felicidade (Le Bonheur, 1965)

Direção: Agnès Varda

★★★★★

Suspiria (1977)

Direção: Dario Argento

★★★★1/2

Os Anos de Chumbo (Die bleierne Zeit, 1981)

Direção: Margarethe Von Trotta

★★★★

Das zweite Erwachen der Christa Klages (1978) ★★★★

Rosenstrasse (2003) ★★★★

Que Bom Te Ver Viva (1989)

Direção: Lúcia Murat

★★★★

Uma Longa Viagem (2011) ★★★★

Malcolm X (1992)

Direção: Spike Lee

★★★★1/2

Princesa Mononoke (Mononoke-hime, 1997)

Direção: Hayao Miyazaki

★★★★

O Lixo e o Sonho (Ratcatcher, 1999)

Direção: Lynne Ramsay

★★★★1/2

Morvern Callar (2002) ★★★★

Longe do Paraíso (Far From Heaven, 2002)

Direção: Todd Haynes

★★★★1/2

Mal do Século (Safe, 1995) ★★★★

2046- Os Segredos do Amor (2046, 2004)

Direção: Wong Kar-Wai

★★★★★

Megane (2007)

Direção: Naoko Ogigami

★★★★

Rent-a-Cat (2012) ★★★★

Lírios d’Água (Naissance des pieuvres, 2007)

Direção: Céline Sciamma

★★★★

Sita Sings the Blues (2008)

Direção: Nina Paley

★★★★1/2

Wendy e Lucy (Wendy and Lucy, 2008)

Direção: Kelly Reichardt

★★★★★

O Atalho (Meek’s Cutoff, 2010) ★★★★1/2

Share

Sinfonia de Paris (An American in Paris/ 1951)

Assistido em 31/05/2013

american Sinfonia de Paris é um filme musical dos bons. Dirigido por Vincente Minnelli e estrelado por Gene Kelly, não tinha como sair errado. Kelly interpreta Jerry Mulligan, um pintor que é o americano em Paris do título original. Ele convive com dois amigos: Adam Cook, um pianista que mora em seu prédio e Henri Baurel, um cantor francês de sucesso. Já percebemos a beleza da composição das cenas quando, no início do filme, Henri relata a Adam que está apaixonado por uma moça e a cada característica dela que ele cita, um número de dança diferente, com cenários monocromáticos é apresentado. A tal moça, Lise Bouvier, posteriormente torna-se interesse amoroso de Jerry, que não sabe que ela é a noiva de seu amigo. Além disso, Jerry também aceita o mecenato de uma mulher rica que parece interessada em mais do que apenas suas pinturas.

An American in Paris 1

Cenário inspirado em Toulouse-Lautrec

A verdade é que depois de ver o filme, parando para analisar a história toda, Jerry é um homem bastante desagradável com as mulheres. Mas dentro do contexto das cenas musicais e com Gene Kelly dançando como dança, isso acaba perdendo a importância. No ato final do filme há uma sequência de 17 minutos de dança, sem falas. O conjunto é um pouco cansativo, mas é interessante como a ação progride através de cenários estilizados de Paris usando a estética de pintores famosos que por lá passaram. Em termos de direção de arte tudo é realmente impecável. No Oscar de 1952 o filme recebeu os prêmios de melhor filme, melhor trilha sonora, melhor direção de arte, melhor figurino, melhor fotografia e melhor roteiro. O pobre do Vincent Minelli não levou melhor diretor. Não sei se chega a ser para tanto, porque embora bem executado e com um clima extremamente otimista o filme ainda é inferior ao que Gene Kelly faria no ano seguinte, Cantando na Chuva (igualmente é a química com os demais protagonistas, especialmente a feminina) . Mas ainda assim não há como negar o seu charme.

Poster - An American in Paris_03

Share