O Espião que Sabia Demais (Tinker Tailor Soldier Spy/2011)

Assistido em 16/08/2013

Primeiro filme em língua inglesa de Tomas Alfredson, O Espião que Sabia Demais se passa em Londres, nos 70, durante a paranoia da Guerra Fria. Control (John Hurt) era o responsável por um departamento no auto escalão do MI-6, Serviço Secreto britânico. Antes de morrer, compartilhou com  Jim Prideaux (Mark Strong) a desconfiança que um de seus cinco espiões de gabinete seria um infiltrado que passaria informações para a União Soviética. Prideaux era um agente de campo e em uma ação em Budapeste foi dado como morto. George Smiley (Gary Oldman) é trazido de volta de sua aposentadoria, para, juntamente com Peter Guilam (Benedict Cumberbatch), investigar quais de seus outros quatro colegas é o agente duplo: Percy Alleline (Toby Jones), Toby Esterhase (David Dencik), Roy Bland (Ciarán Hinds) ou Bill Haydon (Colin Firth).

Os anos 70 de Alfredson não são nem coloridos nem psicodélicos: trata-se de um recorte de um tempo cinzento e nebuloso, repleto de senhores de terceira idade negociando com políticos e e analisando papeladas, enquanto outros, como Prideaux e Ricki Tarr (Tom Hardy) se arriscam em campo. O suspense se constrói com sutileza. Não se trata de um filme de ação nem de espiões vigorosos lutando entre si: são conversas, olhares, suspeitas e palavras não pronunciadas.  O mistério é bom, o elenco é fantástico e acredito que o filme não tenha recebido a atenção que merecia à época. Foi ótimo revê-lo.

Para ler uma análise detalhada do figurino de O Espião Que Sabia Demais, acesse esse post.

tinker tailor soldier spy

Share

Isabel Wittmann

Catarinense, 33 anos, louca por bichos, feminista. Hoje mora em São Paulo, mas já passou uns anos no Amazonas. Crítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, podcaster e pesquisadora de gênero.