Tag Archives: Armie Hammer

Me Chame Pelo Seu Nome (Call Me by Your Name, 2017)

 

Como você vive sua vida só interessa a você, apenas lembre que nossos corações e nossos corpos só nos são dados uma vez. E antes que você perceba, seu coração está desgastado e quanto ao seu corpo, chega um ponto em que ninguém olha para ele, muito menos quer chegar perto dele. Agora mesmo, há tristeza, dor. Não a mate e com ela a alegria que você sentiu.

Crescer pode ser confuso e dolorido. Amar também. Talvez por isso os amores que temos em determinadas fases da vida sejam tão marcantes. Narrativas LGBT tendem a abordar as dores e as perdas, potencializando o sofrimento dos personagens sob o perigo de criar uma história única. Mas não é nela que Luca Guadagnino está interessado aqui. Com roteiro de James Ivory baseado no livro de André Aciman, ele busca as primeiras experiências de um adolescente em um mundo em que as coisas são mais fáceis.

O ano é 1983 e Elio (Timotheé Chalamet), um rapaz de dezessete anos, passa o verão na Itália, onde seu pai, Sr. Perlman (Michael Stuhlbarg) trabalha como pesquisador e arqueólogo. A família franco-judeu-americana tem uma vida privilegiada, com uma bela casa e acesso a bens culturais. Nesse contexto acontece a chegada de Oliver (Armie Hammer), o bolsista de seu pai para aquele verão.

Desde em Um Sonho de Amor, mas especialmente em Um Mergulho no Passado e aqui, Guadagnino demonstra gostar de exibir corpos. Ele os desnuda e os filma belos e sexuais. Ele trabalha com imagens as ideias de calor: frutas suculentas, água, a mosca insistente que teima em se aproximar e a pele desnuda, implicando um romance que se desenvolve com o mesmo apelo estético que as esculturas pesquisadas pelo pai de Elio: corpos masculinos perfeitos.

Se Oliver tem a experiência e o conhecimento, Elio exibe suas habilidades como menino levemente faceiro sobre suas capacidades, como quando o desafia a perceber a diferença entre uma mesma música tocada no estilo de artistas diferentes. Até então ele passava os verões transcrevendo partituras e estudando compositores clássicos, mas agora outros interesses aparecem. O primeiro deles é Marzia (Esther Garrel), com quem tem sua primeira experiência sexual. Ele tem apreço pela garota e externa o gosto que teve pela relação sexual com ela, mas não há espaço para os desejos dela: as mulheres no filme são construídas como se fossem sexualmente passivas, seus corpos não são embelezados da mesma forma nem as suas vontades externadas de maneira veemente.

Em oposição a ela, o que sente por Oliver, o segundo interesse, é diferente em intensidade. É com Oliver que acontecem as negociações: tudo é sondado e perguntado, não existe imposição de nenhuma parte. O peso das decisões é maior. Elio entende o que se passa, mas não sabe o que realmente importa e, por isso, cobra respostas. Usando a profundidade de campo para destacar os dois jovens, Guadagnino emoldura dúvidas e escolhas com paisagens de beleza inenarrável. É claro que nem sempre um amor descoberto aos dezessete anos vai durar até a chega do inverno e justamente a mudança de estação marca o fim de um ciclo.

E esse é um aspecto extra-filme mas que precisa ser lembrado: é injusto a forma como a narrativa apresentada vem sendo sequestrada com o discurso de que não importa o que vai acontecer com Elio no futuro ou com quem ele vai se relacionar: o que importa seria somente o relacionamento entre essas duas pessoas abordado no filme. É conveniente que quando o livro deixa claro e o filme subentende que se trata de um personagem bissexual, a definição de sua sexualidade deixe de ser importante, especialmente levando-se em conta quantas lindas histórias com personagens gays existem e quão poucos personagens bissexuais bem construídos aparecem no cinema.

Por isso também o último ato é tão importante ao mostrar que a mãe de Elio (Amira Casar) estava ciente do que ocorria em sua casa e desejava apenas o bem de seu filho e seu pai, em um monólogo emocionante, o lembra de que o que importa é jamais deixar de sentir. O apoio e compreensão dos pais e a forma como ocorre o desfecho garante a ele a possibilidade de esperança e de felicidade futura, algo que poderia ser mais presente em narrativas LGBT.

O filme trata de forma doce e respeitosa as descobertas e o romance de Elio. De certa forma trata-se de uma obra utópica e idílica, gentil com seus personagens, mas precisamos de outras que abordem o tema dessa forma. Pode-se dizer que sou romântica, mas gosto de cinema assim: gosto desse tipo de escapismo, de cor, de beleza. De uma direção de arte e fotografia que criam imagens extraordinárias ou de histórias que me afetam porque afeto é o que precisamos. Cinema que enleva e que envolve: esse é Me Chame Pelo Seu Nome. 

Share

O Cavaleiro Solitário (The Lone Ranger/2013)

Assistido em 30/07/2013

Sei que devemos manter a mente aberta às possibilidades e livre de ideias pre-concebidas ao assistir um filme, mas com esse não consegui: fui assistir esperando o pior. E isso foi bom para mim.

Gore Verbinski, o diretor, já havia deixado claro seu interesse pelo gênero western nos seus Piratas do Caribe e especialmente em Rango. Essa era para ser a história de origem do herói Cavaleiro Solitário, contada dentro do gênero. A figura mascarada é John Reid (Armie Hammer), um ranger do Texas recém chegado da cidade grande, que sobrevive a uma emboscada onde seu irmão morre e descobre um esquema para avançar as estradas de ferro e incriminar a população indígena. Ele recebe a improvável ajuda de Tonto (Johnny Depp), um índio da etnia Comanche que passa a ser seu sidekick. Acontece que como o ajudante tem um cachê maior que o herói, sua presença em cena acaba sendo mais explorada. Acredito que boa parte dos cinéfilos já está farta da mesmice dos trabalhos feitos por Johnny Depp, fortemente apoiados em maquiagem exagerada e trejeitos. Aqui eles continuam e adiciona-se a lista o problemático red face  (quando um ator não-indígena interpreta um personagem que o é. Para ler um pouco mais sobre isso clique aqui).  O Tonto de Depp tem todos os estereótipos racistas possíveis, acrescidos de excentricidades bizarras: fala errado e pomposo, tenta se comunicar com a natureza de formas estranhas, leva um corvo morto em sua cabeça, que “alimenta” esporadicamente com farelo. Por outro lado, ele é o verdadeiro cérebro da dupla, já que Reid é um ingênuo incorrigível. Além disso, os demais indígenas do filme parecem ser interpretados por pessoas pertencentes aos primeiros povos e não são mostrados como excêntricos. Na verdade um Chefe explica que Tonto sofreu um grande trauma na infância, que deixou sua mente quebrada, o que explicaria seu comportamento.

Uma distração desnecessária em meio a trama é a cafetina Red, interpretada por Helena Bonham Carter. Seu papel é pequeno (e mesmo assim nos materiais de divulgação é dado a entender que é uma das protagonistas) e sua presença é distrativa. A atriz, assim como Depp, parece estar presa sempre ao mesmo tipo de papel.

Polêmicas à parte, o filme flui bem, embora pudesse facilmente perder uma meia hora de sua duração. Talvez por ter esperado pouco ou quase nada dele, me peguei imersa e me divertindo com a história. Ela peca em não saber se quer ser drama ou comédia (o que novamente o torna desconfortável na forma como aborda o genocídio de índios para o avanço da ferrovia), mas os protagonistas têm suficiente carisma para transformá-lo em uma boa sessão da tarde. A abertura, com um menino vestido de Cavaleiro Solitário em um parque de diversões, décadas após os acontecimentos, garante a aura de magia e de legado que o herói transmite. A mensagem, “nunca tire a máscara”, é interessante por lembrar que para fazer coisas justas às vezes é necessário agir fora da lei. E fora isso, os elementos dos “bangue-bangues” juvenis, com suas cavalgadas, perseguições, corridas no tetos de trens e “hi-yo, Silver” estão todos lá.

O Cavaleiro Solitário não é um ótimo filme, mas mesmo cheio de problemas entretém, diverte e deixa patente o empenho da equipe que o produziu.  Pena que com o fracasso de bilheteria dificilmente terá uma continuação.

Lone-Ranger

Share