Estante da Sala

Marie Kondo em dose dupla

Na virada do ano eu vi que havia entrado para o catálogo da Netflix um seriado chamado Ordem na Casa com Marie Kondo (Tidying Up with Marie Kondo, 2019) e eu pensei “por que não, não é?”. A decisão mostrou-se uma armadilha, porque desde então quando tenho intervalos maiores eu paro para organizar alguma coisa. Esse é aquele tipo de reality show em que cada episódio nos apresenta a uma pessoa ou grupo de pessoas que precisam de ajuda dos apresentadores, no melhor estilo Queer Eye. Nesse caso todos eles precisam organizar suas casas e cada um é uma amostra completa do método

Melhores Livros Lidos em 2018

Essa lista vai beirar o vergonhoso, porque tenho lido cada vez menos livros e cada vez mais artigos e capítulos soltos que não computam como leituras “reais”. Mas vou tentar, seguindo as categorias que uso todo ano. Ficção Orlando- Virginia Woolf O livro conta a história de um jovem nobre inglês nascido no século XVI que um dia acorda como mulher. A história cobre vários séculos e tem um texto recheado de sarcasmo e humor, lidando com várias questões, especialmente de gênero, por meio do fluxo de consciência da personagem principal. Produzi um episódio especial do Feito por Elas que compara o

Melhores livros lidos em 2017

Eu estou até com um pouco de vergonha de pensar nessa lista, porque não sei se li muitas coisas interessantes esse ano. Foram muitas leituras, mesmo, mas a maioria de artigos e capítulos isolados. Quadrinhos, mesmo, não li nada. Acho que foi a primeira vez em anos que não li nenhum livro do Calvin e Haroldo! Vamos aos destaques: Ficção Hibisco Roxo- Chimamanda Ngozi Adichie Depois que entrei na fase da Chimamanda, não saí mais. Esse deve ser o melhor livro dela que eu li até agora, na minha opinião. Pesado, ele trata de ralações familiares, tradição e religião por

Livro: Toureando o Diabo

[Esse texto não é uma resenha, muito menos uma crítica] Um dia eu conheci a Clara pessoalmente. Queria comprar seu livro mas estava sem dinheiro. Ela disse que tudo bem, que eu podia levar e pagar depois. Fiquei toda agoniada procurando um wi-fi pra poder transferir no mesmo dia. Não queria fazer feio com tanta confiança. Depois de pagar deixei ele deitadinho na estante por mais de mês, porque estava lendo outras coisas. Mas numa madrugada acabei ele em uma sentada. Ela escreveu na folha de rosto “Para Isabel, que deve ser uma das Camilas“. Camila é tão diferente de

Melhores Livros Lidos em 2016

Esse foi um ano de poucas leituras, ou ainda de muitas leituras picadas em artigos ou capítulos, porque precisei focar na escrita da minha dissertação. Ainda assim consegui ler coisas bacanas e algumas se destacaram. Seguem abaixo meus livros preferidos dos anos, com links naqueles sobre os quais já havia escrito com mais detalhes. Ficção Persuasion- Jane Austen Não adianta, eu tenho mesmo uma queda pela obra da autora, que começou com as diversas adaptações para cinema e televisão assistidas desde criança e agora chega na leitura dos originais. Persuasion não é dos seus livros mais aclamados, mas se tornou

Livro: Corpo e Alma – boxe, corpo, capital e cinema

(aliteração não intencional no título, mas vou deixar assim mesmo) Esses dias caiu nas minhas mãos o livro Corpo e Alma- Notas etnográficas de um aprendiz de boxe, escrito pelo sociólogo francês Loïc Wacquant. A etnografia, bastante interessante, trata do trabalho de campo do autor, que se mudou em 1988 para trabalhar na universidade de Chicago e foi morar na divisa do que chama de “gueto” da cidade, uma bairro pobre e de população majoritariamente negra. Sua ideia original era pesquisar questões raciais no local, mas, como frequentou entre esse ano e o de 1991 a academia de boxe comandada pelo treinador DeeDee, acabou

Mulheres-Ciborgue, ficção científica e alguns comentários

Esses dias eu estava lendo o Manifesto Ciborgue, que acho que deve ser o trabalho mais famoso da Donna Haraway, pesquisadora do campo de gênero que estuda ciência e tecnologia. Lançado originalmente em 1985, o manifesto trata sobre o que a autora chama de ciborguização do corpo, ou seja, a forma como através de ferramentas farmacológicas e mesmo prostéticas, como lentes ou órgãos artificiais, rompemos a barreira dos nossos corpos levando-os para além do limite da pele. Tudo isso muito antes da tecnologia presente em um smartphone, a prótese-mor do nosso cotidiano. Por fim, a autora analisa questões vinculadas à reprodução,