Estante da Sala

Melhores filmes de 2020

Também conhecido como “os filmes que eu mais gostei de ver”, portanto algo bastante pessoal. Como sempre nos últimos anos, não fiz repescagem em dezembro. Esse ano foi muito atípico e cansativo, mas isso todo mundo sabe. Acabei assistindo a número bastante reduzido de lançamentos. Em meio ao caos do ano, fui jurada no Júri da Crítica do 48º Festival de Cinema de Gramado e no Júri da Crítica da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, mediei debates, cobri festival, toquei o doutorado em frente (e consegui uma bolsa de estágio na Itália, para onde devo ir no

Melhores documentários assistidos em 2020

Nessa lista constam os documentários que mais gostei de ver pela primeira vez ao longo do ano. Separo eles dos demais filmes porque nem sempre eles são lançados comercialmente, então não preciso esperar uma data específica para colocá-los em minha lista. Além do mais, isso me permite elencar também os que não são lançamentos, mas que eu vi pela primeira vez ao longo dos últimos 12 meses. Eu gosto muito de documentários e acho interessante como sem querer eles se tornaram o reduto dos trabalho de mulheres, como pode ser facilmente verificado abaixo. A lista está em ordem cronológica e

Melhores livros lidos em 2020

Esse ano, felizmente, voltei às leituras, em grande medida por causa do Grupo de Leitura do Feito por Elas, que foi uma das melhores coisas que de 2020 para mim. Em 2019 o Brasil desgraçou minha cabeça e eu simplesmente não consegui me dedicar aos livros. Foi ótimo voltar. Vamos à lista: Ficção As Meninas – Lygia Fagundes Telles Narrativa formalmente complexa escrita durante a ditadura militar no Brasil. A história, protagonizada por três jovens estudantes com trajetórias e personalidades distintas, é marcada pela tragédia e pela perda da inocência. A língua portuguesa abarca muita poesia na dor. O Sol

Os 20 melhores filmes vistos pela primeira vez em 2020

Essa lista, que faço todos os anos, contém alguns dos filmes que eu mais gostei de conhecer esse ano e que não são lançamentos, nessa constante busca por obras interessantes e que afetam. Como sempre, para facilitar, escolhi apenas filmes ficcionais de longa metragem.  Além disso, para abrir espaço à variedade, diretoras e diretores com mais de um filme que preenchessem esse critério tiveram só um listado. A lista também pode ser conferida no letterboxd. Filmes sobre os quais escrevi ou gravei podcast tem links no título e a ordem da disposição é cronológica. A Boneca do Amor (Die Puppe, 1919)

[44ª Mostra de São Paulo] Walden

Esta crítica faz parte da cobertura da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 22 de outubro e 4 de novembro em formato online Jana (Ina Marija Bartaité) é uma jovem filha de um funcionário público bem posicionado na Lituânia, em um momento em que a União Soviética estava próxima do fim. Ela conhece Paulius, um rapaz que adota uma estética punk e que ganha dinheiro com o mercado negro. Escrito e dirigido por Bojena Horackova, Walden (2020) se apresenta como uma espécie de história de Romeu e Julieta, em que as expectativas e realidades de

[44ª Mostra de São Paulo] Sem Ressentimentos

Esta crítica faz parte da cobertura da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 22 de outubro e 4 de novembro em formato online Parvis (Benny Radjaipour) é um jovem filho de migrantes iranianos morando na Alemanha. Em uma balada, foi flagrado roubando uma garrafa de bebida do bar e sua pena consiste em 120 horas de trabalho comunitário em um abrigo para refugiados. Lá ele conhece os irmãos Banafshe (Banafshe Hourmazdi) e Amon (Eidin Jalali), recém chegados do Irã. Sem Ressentimentos (Wir, 2020), dirigido por Faraz Shariat e escrito por ele em parceria com Paulina

[44ª Mostra de São Paulo] Dias

Esta crítica faz parte da cobertura da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 22 de outubro e 4 de novembro em formato online Apenas dois personagens e poucas ações: assim se desdobra Days (Rizi, 2020), escrito e dirigido por Ming-liang Tsai. Kang (Kang-sheng Lee) mora em uma casa espaçosa e confortável, com grandes panos de vidro. Non (Anong Houngheuangsy) mora em um pequeno apartamento que mais parece uma garagem, com janelas cobertas por lençol. As ações mais cotidianas são retratadas por meio de planos longos, com a câmera parada e distante dos dois protagonistas. Kang