Tag Archives: Hrithik Roshan

Figurino: Jodhaa Akbar – Cores, Muitas Cores!

CINEMA INDIANO

Para fechar a semana dedicada ao cinema indiano, farei um breve comentário a respeito do figurino do épico indiano Jodhaa Akbar. Visualmente deslumbrante: essas duas palavras definem o que penso sobre o filme. Com direção de Ashutoh Gowariker, conta com figurino vistoso e rico em detalhes foi feito por Neeta Lulla. Em entrevista, ela relata que mesmo com vinte anos de carreira, esse foi um de seus trabalhos mais desafiadores até então. As roupas utilizadas são fiéis ao período retratado, no século XVI. Por desconhecimento dos trajes tradicionais indianos, analisarei a forma, e não o conteúdo.

A paleta de cores do imperador mughal Akbar (Hrithik Roshan) é constituída de dourado, marrom e bege, com muitos bordados e uso de jóias.

imakbar

907101048421750

Já a princesa de Rajput Jodhaa (Aishwarya Rai Bachchan) veste majoritariamente amarelo, vermelho e verde-esmeralda. As peças foram cuidadosamente pesquisadas ao longe de seis meses, e encomendadas em diversas cidades da Índia. Artesãos também auxiliaram no processo: as jóias foram produzidas em uma joalheria tradicionais e todos os sapatos bordados foram comprados de clássicos produtores do item.

jodhaa rai

jodhaa

JodhaaAkbar4

O traje da festa de véspera de casamento de Jodhaa foi inspirado em uma pintura pintura do século XIX.

jodhaa painting É interessante perceber a maneira como os diversos reinos que compunham a Índia possuíam trajes diferentes. Há uma diferenciação religiosa (de maneira geral as mulheres hindus aparecem mais cobertas do que as muçulmanas) mas também uma distinção geográfico-cultural. Em determinada cena em que o imperador é aclamado por emissários de várias partes do país, percebe-se o cuidado em retratá-los de maneira heterogênea, criando uma identidade visual para cada grupo da grande colcha de retalhos que compõe a Índia atual. A cena pode ser vista na íntegra no vídeo abaixo.

8750ec505fa3c48f8930d1d9d712189b

Já disse anteriormente e reitero: embora possa haver controvérsias acerca dos aspectos históricos de Jadhaa Akbar, é um filme que impressiona sobremaneira pela grandiosidade de sua produção. Para quem gosta de épicos é uma ecolha certa. E Neeta Lulla o preencheu com belos trajes que fazem os olhos brilhar de prazer só de poder admirá-los.

Share

Só se Vive Uma Vez (Zindagi Na Milegi Dobara/ 2011)

CINEMA INDIANO

Assistido em 30/08/2013

Só se vive uma vez é um filme interessante: embora agradável e leve, ele não parece ter personalidade e poderia ter sido feito em qualquer país.

A trama envolve três amigos que viajam à Espanha para cumprir uma promessa feita durante a faculdade, quando se denominavam os três mosqueteiros. Quando um deles se casassem fariam um despedida de solteiro e cada um poderia escolher um esporte radical pra todos praticarem. O arquiteto Kabir (Abhay Deol) vai se casar com Natasha (Kalki Akhtar). Junto com ele viajam redator publicitário Imraan (Farham Akhtar) e o corretor de bolsa de valores Arjun (Hrithik Roshan). Eles conhecem Laila (Katrina Kaif), uma instrutora de mergulho que desperta o interesse nos dois últimos. Por essa sinopse pode-se pensar que é um filme de comédia com tom mais galhofa, mas na verdade, apesar de alguns momentos engraçados, como num autêntico road movie a viagem é um paralelo para o próprio processo de auto-descobrimento dos personagens e para reavivar sua amizade de tempos atrás. Detalhes de suas vidas aparecem: Imraan descobriu que seu pai não é seu pai biológico e este mora na Espanha; Arjun ainda está magoado por ele ter roubado sua namorada quatro anos antes e ao mesmo tempo faz comentários pouco agradáveis sobre como está rico (e eles não); por fim, Kabir questiona seu desejo de se casar agora. Arjun, especificamente, passa pelas maiores mudanças, pois era o que mais havia se afastados, morando em Londres e dedicando-se totalmente ao trabalho para poder se aposentar aos 40 anos.

Não deixo de ficar um pouco surpresa em descobrir que o filme é escrito e dirigido por uma mulher, Zoya Akhtar. Isso porque as mulheres  são todas unidimensionais e estereotipadas. Natasha é a noiva ciumenta e insistente, que praticamente forçou um casamento, embora isso seja atenuado o tempo todo, quando eles falam que ela é doce. Laila nada mais é que uma versão bollywoodiana da manic pixie dream girl: uma moça livre, sem amarras, que vive a vida sem se preocupar com dinheiro, enquanto viaja pelo mundo. (E apesar disso é fácil simpatizar com ela). Uma terceira moça aparece e nada mais é que o amor de verão, aquela que sequer fala a língua dos demais, embora alcance grande conexão emocional com o personagem envolvido.

O filme é bem executado e as filmagens na Espanha fazem um bom apanhado de lugares interessantes e parecem tornar a jornada dos personagens especial. Talvez não seja muito original, mas é gostoso de assistir.

zindagi-na-milegi-dobara

Share

Jodhaa Akbar (2008)

CINEMA INDIANO

Assistido em 24/08/2013

Esse filme é um épico, grandioso em todos os sentidos. Relata a história (altamente ficcionalizada) do imperador mughal Akbar, o Grande (Hrithik Roshan), que no século XVI casou-se com a bela filha do rei Bhamal de Japur (Rajput), Jodhaa (Aishwarya Rai Bachchan). A Índia, à época Hindustão, era composta por vários pequenos reinos independentes. Akbar, nascido lá, mas de origem persa e muçulmano queria unificar o país. Para isso, enviou cartas a todos os reis solicitando sua rendição e prometendo guerra àqueles que se recusassem. Nas sequências iniciais já temos uma imensa batalha, com incontáveis figurantes compondo os dois exércitos, além de grandes elefantes de guerra.

Aos poucos seu abjetivo de unificação vão se concretizando e para selar a paz, propõe o casamento com a princesa de uma das províncias. A religião de  Jhodaa é  o hinduísmo, então faz duas exigências: que não precise se converter e que possa ter um templo para si dentro do Palácio, mantendo seus ritos religiosos. Akbar consente e uma grande festa é celebrada. Seu reinado é ameaçado por traições e complôs, mas o romance ganha destaque acima da política. Jodhaa está infeliz com a imposição do casamento e após a cerimônia ele lhe fala que se quisesse eles poderiam cancelá-lo, já que mulheres muçulmanas podem fazê-lo se quiserem.  Ela fala que é hinduísta e para eles o casamento é até a morte. (Da mesma forma, as muçulmanas apenas cobrem a cabeça entre estranhos, enquanto as hinduístas cobrem também o rosto). O filme prega a mensagem da tolerância religiosa e muitos o criticam por alterar a história para mostrar um Akbar mais moderado do que na realidade, fato facilmente percebido até para quem ignora a história da índia. Além disso, os casamentos para formar alianças políticas foram diversos, mas suas esposas realmente não eram obrigadas a se converter.

Como não tenho conhecimentos sobre a história indiana, não discutirei esses aspectos políticos do filme. Apenas devo dizer que como obra cinematográfica ele é de encher os olhos e é um dos filmes visualmente mais bonitos que já vi nos últimos tempos. As locações (palácios indianos reais) e paisagens são lindos. As cores super saturadas das roupas são fantásticas. Verdes, vermelhos, amarelos e laranjas pulam na tela de forma encantadora. As cenas musicais encaixam-se no estilo do filme, com destaque para a cena em que Akbar é reverenciado como imperador por comitivas de diversas províncias. O romance às vezes tem uns deslizes machistas (justificados pelo período retratado), mas é extremamente convincente, embora talvez possa parecer piegas ou conservador para alguns. As grandes produções indianas evitam beijo na boca e contatos com conotação sexual em tela, por motivos de classificação indicativa. Ainda assim o filme tem um certo erotismo velado, patente em diversas cenas e uma química muito boa entre os dois atores protagonistas. Há, ainda, lutas de espada bem coreografadas, que me lembraram um pouco o cinema chinês.

Um curiosidade é a presença, entre as damas de companhia de Jodhaa, de uma hijra. As hijras podem ser eunucos, trangênero  ou intersexo e suas presenças são tradicionais nos casamentos indianos para atrair boa sorte e fertilidade.

O filme é longo: pouco mais de três hora e meia, mas possui um intervalo no meio. Confesso que a história me prendeu tanto a atenção que a experiência de assistir a ele não foi nem um pouco cansativa. O diretor, Ashutosh Gowariker conseguiu unir todos os elementos muito bem. É uma obra deveras grandiosa e merecedora de ser assistida.

jodhaa_akbar

Share