Um Lindo Dia na Vizinhança

Talvez o maior obstáculo que Um Lindo Dia na Vizinhança precise superar no Brasil seja nosso enorme desconhecimento sobre o apresentador de programa infantil estadunidense Fred Rogers ou Mr. Rogers, figura central para o filme. Rogers ficou no ar quase ininterruptamente com Mister Rogers’ Neighborhood de 1968 a 2001, influenciando, portanto, gerações de crianças. Ele já havia sido objeto do documentário Won’t You Be My Neighbor? (2018), que ajuda a situar sua persona e seu impacto histórico e cultural para quem, como eu, não o conhecia anteriormente.

Em Um Lindo Dia na Vizinhança, o recorte é outro: Mr. Rogers (Tom Hanks) é um personagem auxiliar para a jornada de autoconhecimento e cura de Lloyd Vogel (Matthew Rhys), jornalista investigativo que precisa escrever um perfil do apresentador para a revista Esquire. A história aconteceu realmente em 1998 e o jornalista no qual Vogel é inspirado se chama Tom Junod. O artigo original, Can You Say… Hero? pode ser conferido aqui.

Entrevistar uma pessoa tão presente no imaginário popular pode ser uma tarefa ingrata, já que a imagem que se cria dela não necessariamente reflete a sua realidade. Mas logo Vogel, intrigado, percebe que Rogers não não é um personagem. Enquanto isso nós percebemos que o filme não é sobre Mr. Rogers e sim sobre como essa figura ajudou Vogel a olhar para si mesmo e seus problemas sob outras perspectivas. Rogers é esquivo e quando perguntado sobre questões pessoais, devolve-as ao jornalista. Dá pistas e afirma que “não há vida normal livre de sofrimento”. Ele mesmo carrega seus próprios fardos, mas não gosta de falar disso.

A forma como Rogers ensina as crianças a lidarem com a complexidade de seus sentimentos se volta a um adulto, mas não de maneira didática ou paternalista: é um diálogo que permite o próprio interlocutor destrinchar suas particularidades. Nesse sentido, o jeito bonachão de bom moço de Tom Hanks caiu como uma luva para representar a afabilidade e o tom acolhedor de Fred Rogers encarnado na ficção. Em determinado momento ele diz que a palavra mais bonita da Língua Americana de Sinais é amigo, sem explicar porque. Depois demonstra que a palavra, que consiste nos indicadores das duas mãos dobrados em C e enganchados um no outro. Mesmo em oposição, os dedos se conectam, o que de certa forma reflete a relação que se estabelece entre Vogel (e Junod) e Rogers.

Marielle Heller trabalha sua direção com mais confiança que em Poderia Me Perdoar?, seu filme anterior. Usando de elementos que flertam com o fantástico, ela amplia a escala da maquete presente no cenário do programa infantil, incorporando o mundo real nela e por vezes borrando o limite entre realidade e a fantasia, deslocando a história para um lugar que pode ser infância, mas pode também ser de onde o encantamento não se perdeu. O roteiro, de Noah Harpster e Micah Fitzerman-Blue, às vezes recorre ao sentimentalismo, mas não deixa de fazer sentido quando o filme trata da dificuldade de homens adultos expressarem sua emoção.

Como narrativa, Um Lindo Dia na Vizinhança funciona na medida em que sua inventividade renova o que poderia ser apenas mais um filme açucarado. Ele destoa do cinismo com o qual nos acostumamos, seja nas histórias que consumimos, seja na própria rotina da vida. Mas de forma singela, coloca em cheque relações e prioridades. Tudo que é mencionável é administrável.

Nota: 3,5 de 5 estrelas
Share

Melhores Filmes de 2019

Também conhecido como “os filmes que eu mais gostei de ver”, portanto algo bastante pessoal. Novamente não fiz repescagem em dezembro, porque estou cansada e não quis correr atrás do que deixei pelo caminho. Esse ano, incluindo coberturas de festival, debates e mediações, atividades acadêmicas, artigos e atividades de docência. Sobre essa retrospectiva, como sempre, não tomei grande cuidado ao ordenar os filmes e depois do décimo já não obedecem mais ordem alguma (e sinceramente não vou me preocupar com isso). Optei por deixar desse jeito mesmo. Tem de tudo um pouco: filme do Oscar, filme que vi em festival, farofas gostosas, uns mais instigantes ou divisivos. Engraçado Scorsese, um dos meus diretores preferidos, ficou de fora. Talvez entrasse em uma lista maior, não sei. Fecho o ano 342 filmes assistidos (o maior número nos últimos sete anos), mas dos quais apenas 269 são longas (provavelmente o menor número na década). Lançamentos, se eu computei corretamente, foram 110. Levei em conta tanto filmes que passaram no cinema quanto os que chegaram diretamente em homevideo e VoD. Colo junto como os escolhidos a avaliação que dei quando assisti, de zero até cinco estrelas. Filmes sobre os quais escrevi ou gravei podcast a respeito tem link para o texto no título. Para ver essa lista no Letterboxd, acesse aqui. Para ver essa lista no Letterboxd, acesse aqui.

A Vida Invisível (2019)

Direção: Karim Aïnouz

★★★★★

Dor e Gloria (Dolor y Gloria, 2019)

Direção: Pedro Almodóvar

★★★★½

Nós (Us, 2019)

Direção: Jordan Peele

★★★★½

Parasita (Gisaengchung, 2019)

Direção: Bong Joon Ho

★★★★½

Rocketman (2019)

Direção: Dexter Fltcher

★★★★½

Bacurau (2019)

Direção: Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

★★★★½

A Favorita (The Favourite, 2018)

Direção: Yorgos Lanthimos

★★★★½

Se a Rua Beale Falasse (If Beale Street Could Talk, 2018)

Direção: Barry Jenkins

★★★★½

Assunto de Família (Manbiki kazoku, 2018)

Direção: Hirokazu Koreeda

★★★★

Fora de Série (Booksmart, 2019)

Direção: Olivia Wilde

★★★★

Fé Corrompida (First Reformed, 2017)

Direção: Paul Schrader

★★★★

Vidro (Glass, 2019)

Direção: M. Night Shyamalan

★★★★

A Música da Minha Vida (Blinded By the Light, 2019)

Direção: Gurinder Chadha

★★★★

Rainha de Copas (Dronningen, 2019)

Direção: May el-Toukhy

★★★★

A Sombra do Pai (2018)

Direção: Gabriela Amaral Almeida

★★★★

Mormaço (2018)

Direção: Marina Meliande

★★★★

Sorry to Bother You (2018)

Direção: Boots Riley

★★★★

Midsommar (2019)

Direção: Ari Aster

★★★★

Temporada (2018)

Direção: André Novais Oliveira

★★★★

Poderia Me Perdoar (Can You Ever Forgive Me?, 2018)

Direção: Marielle Heller

★★★★

Share

42ª Mostra de São Paulo- Poderia Me Perdoar?

Esta crítica faz parte da cobertura da 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 18 e 31 de outubro na cidade.  O ano é 1991. Lee Israel é uma autora de livros biográficos de moderado sucesso, que nunca se estabeleceu como uma figura importante no mercado. Até que resolve mudar suas práticas profissionais e fica tão famosa por isso que sua autobiografia, Poderia Me Perdoar?, é adaptada para o cinema em 2018. O roteiro é de Nicole Holofcener e a direção fica por conta de Marielle Heller (de O Diário de uma Adolescente). Israel é interpretada Melissa McCarthy, que se entrega ao papel sem maneirismos e, com ajuda do figurino, que nos joga diretamente para essa passagem entre décadas e constrói a personagem de maneira tridimensional. Ela é uma mulher de cinquenta e um anos, ranzinza, que gosta de ficar sozinha, não tem paciência para lidar com as demais pessoas e vive com seu gato em um, apartamento grande, decadente e triste. Recusa convites para eventos de colegas, mas quando vai, é para cobrar trabalho de sua agente, que a lembra de sua irrelevância no mercado, não deixa de revirar os olhos diante do pedantismo que enxerga em seus companheiros de profissão. As dívidas se acumulam, seus poucos pertences, que são livros, não valem quase em sebos. É quando tem uma ideia: acostumada a pesquisar com profundidade a vida de celebridades a ponto de saber seus trejeitos e estilos de escrita, datilografa uma carta falsa entre famosos e descobre que objetos como esse valem uma fortuna. Daí para frente elabora com esmero e humor diversas cartas, fazendo-as circular entre vendedores de memorabilia. Além de Israel, participa da ação Jack Hock, seu amigo e comparsa, interpretado por Richard E. Grant com ares de canastrão e uma certa melancolia pontuada de acidez. As pessoas estão dispostas a pagar por algo que sintam que as aproximem de seus ídolos. Katherine Hepburn, Noël Howard, Dorothy Parker: as cartas voam da máquina de escrever e o dinheiro flui. É interessante pensar como funciona a mentalidade humana em torno de uma obra. A estátua de Davi, de Michelangelo, por exemplo, exposta na Piazza della Signoria em Florença é, na verdade, uma réplica. Mas nada disso importa e diariamente centenas (milhares?) de pessoas posam para fotos diante dela. O que importa é o senso de autoria, é a percepção de estar diante de algo grandioso e histórico. O que Lee Israel vende é essa historicidade aliada à sensação de espiar a intimidade de alguém famoso. Ela é auxiliada pelo culto à celebridade e pela fascinação projetada sobre famosos. Não necessariamente o que se quer é a verdade. O que importa não é a autoria, mas a ideia que o objeto é capaz de projetar. Nesse sentido, Israel usa as regras do próprio jogo para ganhar nele, não, claro, livre de punição posterior. Poderia Me Perdoar? atrai, em grande medida, pelo tratamento conferido a seus protagonistas e o resultado é uma biografia interessante e divertida. Nota: 4 de 5 estrelas
Share