Tag Archives: Ruth Beckermann

42ª Mostra de São Paulo- A Valsa de Waldheim

Esta crítica faz parte da cobertura da 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 18 e 31 de outubro na cidade. 

Eleições nacionais. O candidato com passado militar exalta a moral, a família e espírito da nação. Minimiza as mortes do passado alegando que muita gente morreu naquela época. As manifestações contra ele aumentam e seus seguidores ameaçam a vida dos oponentes. Outros usam de argumentos religiosos para defendê-lo. Ele não vence no primeiro turno, mas garante 46% dos votos válidos. No segundo turno as manifestações se ampliam. A mídia internacional cobre, não sem espanto, as escolhas dos cidadãos do país e a espantosa ficha do candidato. Estes rebatem dizendo que vão eleger quem eles quiserem e que tudo não passa de um plano de esquerdistas para acabar com o democracia. Poderia ser o Brasil em 2018, mas é a Áustria em 1986.

As semelhanças entre os fatos apresentados no documentário A Valsa de Waldheim (Waldheims Walzer, 2018) e nosso próprio cenário político são assustadoras. A diretora, Ruth Beckermann, era ativista na época que o filme cobre. Ela filmou alguns protestos e, junto com imagens de arquivo, conseguiu recontar aquele momento da candidatura de Kurt Waldheim. Político de carreira, ex-secretário geral do ONU por quase 10 anos, entre 1972 e 1981, ele foi acusado de ter sido atuante no exército nazista. Arquivos de guerra revelam sua ficha militar, bem como fotos dele em campo  e documentos que provam sua filiação a organizações nazistas e serviços prestados a eles.

Em suas memórias sobre a época, costumava dizer que foi ferido em combate em 1941 e depois afastado. Omitiu o fato de ter trabalhado na Iugoslávia e na Grécia em seções responsáveis por deportar judeus para a morte. Negando veemente esses anos de serviço prestado para o 3º Reich, Waldheim apelou para um discurso populista e nacionalista, que questionava a nacionalidade a pessoas “que não eram austríacas de verdade”. Enquanto manifestantes diziam que não aceitariam essa época de violência de novo, sua constante relativização das mortes do holocausto, sempre comparadas com as mortes de alemães, levaram a discursos antissemitas inflamados da população.

Sob o escudo da moralidade, foi defendido por seus eleitores, que acusavam uma conspiração internacional para derrotá-lo. Beckermann faz uso certeiro das imagens da época, nos deslocando para os debates entre políticos, historiadores, manifestantes e partidários, descortinando o posicionamento de cada peão no complexo tabuleiro político. Embora o formato seja convencional, o filme ganha força na montagem que compõe um panorama bastante claro. O interessante é que em meio a isso tudo, não seja apresentado o candidato concorrente. Talvez porque a documentarista esteja mais preocupada em, ao mesmo tempo descortinar o absurdo daquilo tudo, mas também deixar a narrativa aberta o suficiente para que os espectadores contemporâneos possam preenchê-la com as histórias atuais de direta conservadora que, com seus nacionalismos extremistas, novamente está em ascensão na Europa. O documentário deixa bem claro que não importam as provas: a população seguirá o discurso que lhe parecer mais conveniente. O filme é o candidato austríaco para a vaga no prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar de 2019.

4,5 de 5 estrelas

P.S: O desolador é perceber que com todos os paralelos possíveis de fazer com o Brasil, ainda assim Waldheim sempre negou seu envolvimento com o nazismo. Já o candidato brasileiro da extrema-direita conservadora apoio a tortura como método, o extermínio de dissidências políticas e reverencia a história e as figuras da ditadura militar brasileira. E mesmo com o discurso abertamente violento é a preferência de grande parte da população. Waldheim venceu o segundo turno com 53,9% votos. O que nos aguarda?

Share