Estante da Sala

42ª Mostra de São Paulo- Poderia Me Perdoar?

Esta crítica faz parte da cobertura da 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 18 e 31 de outubro na cidade.  O ano é 1991. Lee Israel é uma autora de livros biográficos de moderado sucesso, que nunca se estabeleceu como uma figura importante no mercado. Até que resolve mudar suas práticas profissionais e fica tão famosa por isso que sua autobiografia, Poderia Me Perdoar?, é adaptada para o cinema em 2018. O roteiro é de Nicole Holofcener e a direção fica por conta de Marielle Heller (de O Diário de uma Adolescente). Israel é interpretada Melissa McCarthy,

O Jovem Karl Marx (Le jeune Karl Marx, 2017)

Postado originalmente em 10 de novembro como parte da cobertura da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo  Depois do aclamado documentário Eu Não Sou Seu Negro, Raoul Peck retorna com essa cinebiografia correta, que aborda os anos de juventude do filósofo Karl Marx (August Diehl), quando entabulou amizade com Friedrich Engels (Stefan Konarske), com quem futuramente escreveria o Manifesto do Partido Comunista e que possibilitaria a criação de O Capital. A esposa de Marx, Jenny von Westphalen (Vicky Krieps) aparece com a terceira personagem de importância e com uma trajetória interessante: a moça rica e estudada, de família tradicional,

Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures, 2016)

Dirigido por Theodore Melfi, Estrelas Além do Tempo é uma adaptação do livro Hidden Figures, de Margot Lee Shetterly, que trata da trajetória real de três mulheres negras que trabalharam na NASA durante a corrida espacial, na década de 1960, em plena Guerra Fria. Nesse período as mulheres tinham trabalhos restritos na agência: dividiam-se entre as secretárias e as computadoras, que realizavam os cálculo antes da chegada dos grandes equipamentos da IBM. As protagonistas do filme são a matemática Katherine G. Johnson (Taraji P. Henson), a programadora Dorothy Vaughan (Octavia Spencer) e a engenheira Mary Jackson (Janelle Monáe). Esses cargos não

Conspiração e Poder (Truth, 2015)

James Vanderbilt é roteirista, conhecido pelos dois filmes do Espetacular Homem-Aranha e Zodíaco, de David Fincher. Conspiração e Poder é o primeiro filme que dirigiu (além de ter roteirizado, claro) e chama a atenção o elenco de peso que embarcou no projeto. O longa aborda o jornalismo televisivo, especificamente uma história real que ocorreu envolvendo a produção do programa 60 Minutos, um dos mais tradicionais da televisão estadounidense. Em 2004 a produtora Mary Mapes (Cate Blanchett) encontrou indícios de fraude envolvendo o então presidente George W. Bush e sua alocação no exército durante a Guerra do Vietnam. Em plena corrida para a

Quase Famosos (Almost Famous/ 2000)

Tenho uma história interessante com esse filme e revê-lo foi uma ótima experiência. Durante minha adolescência, naquele final de década de 90 e início de anos 2000, numa pacata cidade de interior sem muitas opções de lazer para gente da minha idade, costumávamos, eu e meus amigos, nos reunirmos nas casas uns dos outros e eventualmente alugávamos filmes para assistir. Assim eu vi do horroroso Revelação (um suspense com Harrison Ford que tinha a pachorra de se comparar a Psicose) ao até hoje amado Virgens Suicidas (meu preferido da Sofia Coppola). Em uma dessas sessões, assistimos Quase Famosos. Bem, eu

Rush – No Limite da Emoção (Rush/2013)

Assistido em 27/12/2013. O diretor Ron Howard nunca foi exatamente um diretor ousado. Não é em Rush- No Limite da Emoção que se permite ser. Mas, nos entrega um filme eficaz, bem realizado e bonito. E quando falo “bonito” não não me refiro a uma suposta moral da história ou mensagem ou mesmo a história em si. Trata-se de de uma bela recriação de época, em que todas as roupas parecem saídas da década de 1970 sem ter a aparência de fantasias, além de ter uma fotografia precisa. A trama aborda a rixa entre os pilotos de Fórmula 1 James Hunt

Os Melhores Filmes de 2013

Ao fazer essa lista percebi como vi poucos filmes desse ano! Tive dificuldades em elaborá-la, mas não por precisar deixar muitos de fora, como na lista dos 25 melhores filmes que vi esse ano e não são de 2013, e sim por ter visto tão poucos filmes bons desse período. Percebi que deixei passar o ano quase sem coisas boas. Poucos dos citados eu realmente amei. Para fins de elaboração, considerei a data de lançamento do filme no Brasil, por isso alguns filmes são, na verdade, de 2012. A lista em si pode não ser muito satisfatória, mas em partes