Estante da Sala

Melhores filmes de 2018

Também conhecido como “os filmes que eu mais gostei de ver”, portanto algo bastante pessoal. Novamente não fiz repescagem em dezembro, porque estou cansada e não quis correr atrás do que deixei pelo caminho. Esse ano foi recheado de trabalho, incluindo dois júris (no Festival Internacional do Mulheres no Cinema e na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo), alguns debates, eventos acadêmicos, docência e minha admissão na ABRACCINE (Associação Brasileira de Críticos de Cinema). Sobre essa retrospectiva, devo avisar que não tomei grande cuidado ao ordenar os filmes e depois do décimo quinto já não obedecem mais ordem alguma

A Forma da Água (The Shape of Water, 2017)

Contos de fadas são um gênero literário bastante particular e devem ser entendidos e avaliados como tal. Eles não são realistas, não devem explicações ao público (como a ficção científica), nem precisam ter uma moral da história (como uma fábula). E A Forma da Água, dirigido por Guillermo del Toro, com roteiro dele em parceria com Vanessa Taylor, é um conto de fadas, que, conforme o narrador, conta a história de uma princesa sem voz, Elisa (Sally Hawkins). Elisa sonha que que está flutuando embaixo da água e trata com verdadeira arte sua rotina matinal, que inclui cozinhar ovos, preparar

Figurino: A Colina Escarlate

Texto originalmente publicado na coluna Vestindo o Filme. Fantasmas são reais, isso eu sei. Eu os vi toda a minha vida … Em cartaz nos cinemas, A Colina Escarlate é um romance gótico que se disfarça de história de terror. A protagonista, uma escritora chamada Edith Cushing (Mia Wasikowska), fala sobre suas obras algo que também se estende ao filme: são histórias com fantasmas, não histórias de fantasmas, pois eles representam o passado. O diretor Guillermo del Toro confeccionou a trama entremeada de elementos visualmente marcantes. A figurinista é Kate Hawley, que já havia trabalhado com ele em seu filme anterior,

Círculo de Fogo (Pacific Rim/2013)

Assistido em 01/09/2013 Nunca duvide de Guillermo del Toro: é isso que se aprende com esse filme. O diretor, conhecido por filmes com design de produção de qualidade e maquiagens e bonecos perfeitos, aqui encontra seu caminho na criação de monstros completamente feitos em CGI e não decepciona. A trama do filme é tão banal que praticamente nem importa: de uma fenda no Oceano Pacífico saem monstros gigantes (Kaiju) que atacam cidades no mundo todo. Para defender-se, a humanidade construiu grandes robôs (chamados de Jaeger), controlados por dois pilotos em seu interior. Os robôs já não dão mais conta dos