Estante da Sala

Cinderela (Cinderella, 2015)

Na onda dos remakes e reimaginações de contos de fadas (como Malévola), Cinderela, versão live action da famoso conto de Perraut, se mostra mais tradicional em sua abordagem, mas isso não necessariamente é ruim. Dirigido por Kenneth Branagh, a história é praticamente idêntica àquela que os próprios Estúdios Disney, responsáveis pelo filme, produziram em animação em 1950. A jovem protagonista, aqui chamada de Ella (Lily James) perde a mãe ainda muito cedo. O pai se casa novamente e além da Madrasta (Cate Blanchett), ela ganha duas irmãs, Drisella (Sophie McShera) e Anastasia (Holliday Granger). Com a morte do pai e perda

O Cavaleiro Solitário (The Lone Ranger/2013)

Assistido em 30/07/2013 Sei que devemos manter a mente aberta às possibilidades e livre de ideias pre-concebidas ao assistir um filme, mas com esse não consegui: fui assistir esperando o pior. E isso foi bom para mim. Gore Verbinski, o diretor, já havia deixado claro seu interesse pelo gênero western nos seus Piratas do Caribe e especialmente em Rango. Essa era para ser a história de origem do herói Cavaleiro Solitário, contada dentro do gênero. A figura mascarada é John Reid (Armie Hammer), um ranger do Texas recém chegado da cidade grande, que sobrevive a uma emboscada onde seu irmão morre e descobre

Hamlet (1990)

Para falar a verdade eu já havia visto esse filme. Tudo começou quando lá pelos meus 13 anos eu peguei emprestado um volume antigão, de capa dura, de Hamlet, recheado com notas de rodapé explicando os duplos sentidos e simbologias da história. Sempre lembro que no buquê de flores de Ofélia, cada tipo de flor tinha um significado diferente. Não deu outra: me apaixonei pelo livro e passei a ver tudo quanto era filme que aparecesse com adaptações de Shakespeare (em tempos pré-internet e sem tv à cabo ou dinheiro para vídeo-locadora). Aí eu devo ter assistido esse filme umas duas