Estante da Sala

Figurino: A Colina Escarlate

Texto originalmente publicado na coluna Vestindo o Filme. Fantasmas são reais, isso eu sei. Eu os vi toda a minha vida … Em cartaz nos cinemas, A Colina Escarlate é um romance gótico que se disfarça de história de terror. A protagonista, uma escritora chamada Edith Cushing (Mia Wasikowska), fala sobre suas obras algo que também se estende ao filme: são histórias com fantasmas, não histórias de fantasmas, pois eles representam o passado. O diretor Guillermo del Toro confeccionou a trama entremeada de elementos visualmente marcantes. A figurinista é Kate Hawley, que já havia trabalhado com ele em seu filme anterior,

Interestelar (Interstellar, 2014)

Interestelar, dirigido pelo queridinho do público Christopher Nolan, é um filme que se beneficia muito da sala de cinema. A experiência de assistir em uma boa sala torna a obra grandiosa, mas ao sair, há pouco conteúdo para sustentá-la na memória. Passada uma semana da data em que o vi, já tenho a clara percepção do quão pouco memorável ele é. Talvez seu maior problema foi ter pretendido, justamente, ser uma obra grandiosa. O drama de Cooper (Matthew McConaughey), ex-piloto da NASA que mora em um futuro desolado, onde a Terra precisa de fazendeiros e não engenheiros, mostra-se superficial. Ele abandona

A Árvore da Vida (The Tree of Life/2011)

Assistido em: 11/08/2013 Resolvi assistir esse filme com certo receio, pois de Malick só havia visto Além da Linha Vermelha e não havia gostado muito. De alguma forma a dinâmica dos soldados filosofando na guerra não me fisgou. Ciente de seu estilo próprio e pronta para o que viesse, esse acabou sendo uma grande e agradável surpresa. Com o mesmo estilo poético, lento e recheado de cenas que agradam os olhos, aqui a trama parece funcionar melhor por se tratar de um drama familiar. Na história temos um casal, sr. O’Brien (Brad Pitt) e Sra. O’Brien (Jessica Chastain), que têm

A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty/ 2012)

Assistido em 28/03/2013 Eu queria ter gostado desse filme, mas talvez pelos motivos errados. Ao procurar a estatística de quantas diretoras trabalham atualmente em Hollywood, me deparo com o número de 5% do total de diretores de cinema. Bastante desapontador, não é? A Hora Mais Escura é dirigido por Kathryn Bigelow, uma das poucas diretoras atuais a ter filmes premiados, e seu anterior, Guerra ao Terror, me agradou bastante. Ainda temos de brinde uma protagonista feminina forte, Maya (Jessica Chastain). Infelizmente para eu gostar do filme, no final das contas, ele precisa me entregar algo que esse não me entregou.