Êxodo: Deuses e Reis (Exodus: Gods and Kings, 2014)

Eis um filme que não ofende nem encanta.

Dirigido por Ridley Scott, é bem produzido, com figurinos bonitos de Janty Yates (e deve ser muito divertido desenhar para esse local e período específicos) e a grandiosidade necessária para um “sandália e espadas” (embora os cenários de CGI às vezes deem a incômoda impressão de artificialidade e nada causa a sensação que a vista aérea de Roma em O Gladiador causou há 14 anos).

Christian Bale como Moisés não está mal e Joel Edgerton está muito bem como Ramsés, se desconsiderarmos completamente questões étnicas. Mas, em se tratando de seus personagens, é inexplicável porque Ramsés já nutre tanta antipatia por Moisés desde o começo, já que foram criados como irmãos. Isaac Andrews, o menino que interpreta o deus hebraico, é muito bom e o retrato da divindade como sendo cheia de vontades e autoritária é um dos pontos altos do filme. Representá-lo como uma criança é parece uma forma bastante adequada em se tratando do deus abraâmico.

Outro ponto interessante é a transformação de Moisés em um general, ao invés de pastor, que treina os hebreus para a guerrilha e abre o Mar Vermelho, ainda que simbolicamente, com uma espada ao invés de um cajado.

É difícil não comparar o filme a Noé, visto que são dois épicos bíblicos do mesmo ano com grandes diretores. Embora o Noé do filme se perca em alguns momentos virando um herói de ação genérico, é possível ver autoralidade na execução do conjunto, que não transparece em nenhum momento aqui. Também há mais coragem lá de encarar a narrativa como mítica, enquanto aqui há uma tentativa de manter plausibilidade e realismo, para casar com o suposto historicismo dos eventos. Com isso, as dez pragas aparecem uma em consequência da outra, apenas a final dependendo da suspensão de descrença. Mas talvez o caminho de abraçar a natureza mítica da narrativa trouxesse mais intensidade a ela. A abertura do Mar Vermelho, por exemplo, perdeu força com seu cientificismo. (Obs: Não faz sentido tentar transformar em uma narrativa histórica, uma vez que os construtores dos monumentos egípcios eram trabalhadores assalariados e não há registros históricos -não bíblicos- da presença de hebreus em grande quantidade no país).

No final das contas, Êxodo pega um mito que tem bastante força e o transforma é um história nada impactante, que termina sem deixar marcas no expectador. Os Dez Mandamentos já fez melhor. Mesmo O Príncipe no Egito fez muito melhor, inclusive na profundida das relações e sentimentos dos protagonistas.
Meh.

 

exodus_gods_and_kings_ver7_xlg

Share

Isabel Wittmann

Catarinense, 33 anos, louca por bichos, feminista. Hoje mora em São Paulo, mas já passou uns anos no Amazonas. Crítica de cinema, doutoranda em Antropologia Social, podcaster e pesquisadora de gênero.