Varda por Agnès (2019)

No dia 29 de março último, Varda nos deixou, cedo demais, aos 90 anos de idade. Mas, apesar de ter partido, ficamos com um legado de obras para ver, rever, imergir e refletir. Varda era uma artista de alma sensível, que capturou pequenos detalhes de coisas que talvez passassem desapercebidas para outra pessoa e criou poesia a partir deles. Suas obras têm uma visão muito única de política, de estética e de afeto. Sua ficção trabalha com questões de gênero do cotidiano (mas não só isso) e desafia o que é dado. Seu documentário se encanta com as pessoas comuns, suas rotinas e suas lutas. Ambos estão sempre embaralhados: há sempre algo de documental em suas narrativas ficcionais, que são um retrato muito específico de realidades e vivências contemporâneas; e há, por sua vez, uma mise-en-scène elaborada em seus filmes documentais, que mostram seu desejo, não só de capturar o acontecimento, mas de torná-lo instigante (e intrigante) ao olhar. Em ambos os casos, sua montagem peculiar, ritmada, brincalhona, ajuda a diretora.

Varda já tinha refletido sobre a velhice em Os Catadores e Eu (2000), feito uma retrospectiva afetiva de seu trabalho em As Praias de Agnès (2008) e uma despedida, em certa medida, da sua própria relação com a arte e com as pessoas em Visages, Villages (2017). Em Varda por Agnès (Varda par Agnès, 2019) ela retoma essas derradeiras reflexões, olhando sua obra em retrospecto, retomando temas, ponderando conexões. O filme, que originalmente foi concebido para a televisão, acabou por ser lançado nos cinemas.

Trata-se de uma série de palestras que parecem ter sido filmadas em lugares e momentos diferentes, com plateias diversas, rememorando muitos de seus principais trabalhos. A montagem nos deixa La Pointe Courte (1955), A Ópera Mouffe (1958), Cléo das 5 às 7 (1962), As Duas Faces da Felicidade (1965), Tio Yanco (1967), Panteras Negras (1968), O Amor dos Leões (1969), Daguerréotypes (1976), Uma Canta, a Outra Não (1977), Mur Murs (1981), Os Renegados (1985), Jane B. por Agnès V. (1988), Kung Fu Master (1988), Jacquot de Nantes (1991), Os Catadores e Eu (2000), As Praias de Agnès (2008), Agnès de ci de là Varda (2011), Visages, Villages (2017), ou seja, um verdadeiro panorama de sua própria filmografia. Une-se suas falas, comentando ideias e contextos dos filmes, com imagens deles mesmos, que nas palestras eram projetadas no local. Esse filme acaba por não ser, portanto, um filme por si só, mas funciona como um complemento ou uma porta de entrada para conhecer ou aprofundar a obra da diretora, conhecendo mais sobre a engenhosidade de seu processo criativo.

Varda divide o seu fazer cinema em três etapas: inspiração, criação e compartilhar. A primeira é a concepção, a segunda é a mão na massa e a terceira a fantástica etapa de dividir suas imagens conosco, seu público. Todo esse processo é marcado pela generosidade com que escolhe seus objetos e os entrega para nós. Em History Lessons, Barbara Hammer coloca em um dos intertítulos um texto que, puxando de memória, afirma que o que não é registrado deixa de existir. Varda, por sua vez, diz que nada é banal se filmarmos as pessoas com empatia e amor. Ou seja, Varda sempre buscou trazer as pessoas para história e o fez com carinho, com cuidado, com sua estática particular, colocando-as no centro de sua obra, mas também deixando sua própria presença impressa nela.

Varda por Agnès pode parecer um extra de um DVD contendo os próprios filmes de Varda, mas é delicioso poder ouvi-la, mais uma vez, discorrer sobre seu passado e refletir sobre o fazer cinema. Ela afirma desaparecer como um borrão, mas permanece. De qualquer forma, Varda já faz falta.

Nota: 4 de 5 estrelas
Share