Estante da Sala

[44ª Mostra de São Paulo] Meu Rembrandt

Esta crítica faz parte da cobertura da 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorre entre 22 de outubro e 4 de novembro em formato online.

Uma senhora com véu olha para baixo, lendo o livro que segura entre suas mãos. Seu rosto, parcialmente sombreado pelo tecido, é iluminado de maneira precisa no centro. A parte debaixo de seu capuz reluz amarela. Há toques de vermelho nos lábios e pálpebras e de laranja e rosa nas bochechas. Um pincelada de branco, sutil, e cada olho adquire seu brilho. Belíssimo. Único. Imediatamente reconhecível em seu estilo. Trata-se de um quadro de Rembrandt pendurado em uma enorme parede de um castelo, pertencente há muitas gerações à família do duque de Buccleuch. O documentário Meu Rembrandt (My Rembrandt, 2019), escrito e dirigido por Oeke Hoogendijk descortina o fascínio de colecionadores, especialistas e merchands pela obra do renomado pintor holandês.

Além do já mencionado duque, existem outros três personagens centrais ao filme. O primeiro é Eric de Rothschild, herdeiro de muitas obras que decide vender um par de quadros do pintor, retratos de um casal, para pagar dívidas. O segundo é Jan Six, um homem que é a décima geração da prole de outro que foi, ele mesmo, retratado por Rembrandt. Six é um historiador da arte que há pouco tempo havia adquirido em um leilão um quadro que acreditava ter sido pintado pelo mestre barroco, mas havia sido parcialmente coberto por outro pintor posterior. As análises de especialistas mostraram que seu palpite foi acertado e o tempo para restaurar a obra de volta ao estado original foi estimado em quatro anos. Por fim, Thomas S. Kaplan, que afirmou que acreditava que nunca seria um “vulgar materialista” até se ver comprando um quadro por semana, mas se justifica colocando-os em exposições públicas, para que mais gente possa usufruir de sua beleza.

As pessoas amam arte e nossa vida é constantemente mediada por obras ao nosso redor. Com uma reverência pela obras, o filme não deixa de rememorar a velha questão: o que faz o valor dessa arte? Porque fica claro que, apesar da fascinação pelos quadros, não é sua perfeição, especificamente, que cria o preço. Destaca-se que muitos pupilos de Rembrandt aprenderam a pintar imitando seu estilo ao ponto das diferenças serem imperceptíveis ao olho humano. A precificação, então, não estaria na qualidade da obra, mas na aura adquirida pelo autor com a passagem do tempo.

E aí o documentário acerta ao retratar, não sem uma pitada de sarcasmo, o estranho mundo das pessoas absurdamente ricas, que gastam milhares de euros em um pedaço de tecido coberto de tinta pelo prazer de possuí-lo. Sim, porque toda a beleza descrita no parágrafo de abertura, nem sempre é algo compreendido por todos. “No final das contas tudo se resume a dinheiro”, comenta um senhor.

Apesar desses temas serem recorrentes em filmes sobre arte e artistas, em Meu Rembrandt eles são apresentados de uma forma que nunca nos deixa perder o interesse, até mesmo porque há sempre muito mais do que se possa imaginar. Intrigas! Traições! A finesse do mundo dos milionários colecionadores esconde artimanhas e picuinhas e o filme se revela mais divertido do que sua sinopse pode dar a entender.

Nota: 4 de 5 estrelas
Share

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *