Estante da Sala

Diário de uma filmografia: Julia Roberts

Dia dos Namorados chegando e com ele uma jovem tradição do Feito por Elas: um episódio sobre comédias românticas. Majoritariamente brancas e heteronormativas, o gênero tem uma infinidade de filmes repetitivos e pouco inspirados. Ainda assim tem exemplares deliciosos, que vão das comédias malucas da Hollywood clássica ao texto afiado de Nora Ephron. Em 2017 começamos com a própria Nora Ephron e a ela se seguiu a Nancy Meyers no ano seguinte, ambas roteiristas e diretoras estabelecidas no gênero. Em 2019 resolvemos falar sobre uma atriz: Sandra Bullock, uma das queridinhas dos romances da década de 1990. E veio a

Figurino: The Rocky Horror Picture Show – Gênero na Berlinda

Texto originalmente publicado na coluna Vestindo o Filme em 09/10/2013. Certos filmes não só marcam época, como estão à frente de seu tempo em determinados aspectos. É o caso de The Rocky Horror Picture Show, musical hoje cult de 1975, adaptado da peça de teatro que estreou em Londres em 1973. A trama é inspirada nos filmes clássicos de ficção científica. A direção fica por conta de Jim Sharman e o figurino é de Sue Blane. A adaptação não se distanciou do formato teatral, com atuações marcantes e poucas trocas de roupas e de cenários. Os atores da versão teatral

The Rocky Horror Picture Show (1975)

Assistido em 29/08/2013 Que filme fantástico! The Rocky Horror Picture Show é um musical inspirado pelos filmes clássicos de ficção científica, adaptado da peça de teatro que estava em cartaz em Londres desde 1973. A direção é de Jim Sharnan e o elenco da peça repete os seus respectivos papéis no filme, com exceção dos dois personagens principais, Janet (Susan Sarandon) e Brad (Barry Bostwick), que foram interpretados por atores americanos. Os créditos de abertura já são ótimos, com uma grande boca vermelha cantando uma música que cita vários elementos da ficção científica. Após isso somos deslocados para o mundo

Thelma & Louise (1991)

Assistido em: 17/04/2013 Dirigido por Ridley Scott, esse filme representa muita coisa boa. Já é difícil ter uma protagonista mulher em filmes de Hollywood e aqui nós temos duas! E são duas personagens fortes, cada uma ao seu jeito, e interessantes. Ele passa fácil no Bechdel Test, o que não e de se estranhar, já que a roteirista também é mulher, Callie Khouri. As protagonistas Thelma (Geena Davis) e Louise (Susan Sarandon), mostram o tempo inteiro a amizade e camaradagem entre elas e o próprio crescimento ao logo da jornada (pois trata-se de um road movie). As mudanças de Thelma,