Era o Hotel Cambridge (2016)

O artigo sexto de nossa Constituição Federal estipula que “São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a  segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados”. O Estado tem a obrigação de garantir que sua população tenha moradia, mas o que fazer quando os governos não só se recusam a fazê-lo, como reagem no sentido de silenciar movimentos que tentar garantir seus direitos? Essa é uma das muitas questões levantadas em Era o Hotel Cambridge, da diretora Eliane Caffé.

Trabalhando nos limites entre o ficcional e o documental, Caffé registra o cotidiano dos moradores do Hotel Cambridge, edifício abandonado no centro da cidade de São Paulo, destacando as vivências caleidoscópicas de alguns personagens que dão corpo à experiência coletiva. A rotina, as reuniões as tarefas e momentos de engajamentos são retratados com fluidez. Dentre as personagens, o destaque é Carmem, líder real da Frente de Luta por Moradia (FLM), que aqui tem sua força coordenadora descortinada para o público. Mas a narrativa é polifônica: não só se pauta em muitas vozes, como é perceptível a colaboração dos participantes com suas experiências reais nas falas de seus personagens. Em certo momento, Apolo (José Dumont), que organiza um espécie de vlog  da ocupação, pergunta “Cadê o foco narrativo?“. Não há um foco pois o protagonista é a luta, sendo cada um apenas uma faceta dela.

“A Propriedade é um roubo” (São Paulo, 2009, foto por Isabel Wittmann)

Nesse sentido o filme se fortalece ao somar às reivindicações dos brasileiros sem acesso a uma casa à dos estrangeiros e refugiados, com suas particularidades. O que os impede de ter um lar muitas vezes é a burocracia e a falta de acolhimento no país onde escolheram morar. Como afirmou Carmem no making of, a questão dos refugiados é a questão decisiva do século XXI. Além disso, muitos lidam com famílias distantes, com a dificuldade do idioma e com as lembranças de guerra e destruição que trazem na bagagem.

Mas se há guerra em suas pátrias, há também guerra no Brasil, como bem frisa um dos personagens. A guerra cotidiana pelo que deveria ser um direito é muitas vezes ignorada por grande parte da população privilegiada, mas é responsável por um dos momentos mais intensos do filme: a chamada “festa”, quando durante  a noite, liderados por Carmem, grupos de pessoas invadem prédios abandonados para ocupa-los. A reação´desencadeada é de truculência: a polícia é acionada utilizando todo seu aparato, com bombas e tiros, agindo como cão de guarda de uma propriedade que não lhes pertence e que não serve a ninguém, à não ser à especulação imobiliária e à consequente gentrificação. Toda essa sequência transmite um enorme senso de urgência e, porque não, de absurdo. E em meio ao caos, os próprios futuros moradores tratam de estabelecer a ordem, limpando espaços sujos e cheios de lixo. Interessante notar que nessa hora os papeis tradicionais de gênero são reafirmados: as mulheres fazem a faxina e os homens cuidam da eletricidade e hidráulica.

O filme conta com a direção de arte competente de Carla Caffé, que é arquiteta e trouxe para o set e para a ocupação alunos da Escola da Cidade, trabalhando de forma colaborativa para criar espaços de convivência que pudessem servir ao filme, mas também aos moradores reais do edifício. Questionando uma arquitetura de espetáculo, Carla confere força à película na forma de uma arte que transcende a si mesma e que se espalha através do construir para as pessoas e do habitar a cidade.

A direção marcante de Eliane Caffé percorre a narrativa retratando seus personagens com proximidade, mas também desvelando múltiplas camadas interpretativas que levantam pontos cruciais nas discussões contemporâneas. Era o Hotel Cambridge abre com o esqueleto do edifício que lhe dá nome se desnudando e fecha com o retrato pungente da exclusão e da negação dos direitos mais básicos, mostrando-se um importante trabalho social e político, além de artístico.

 

Share