Estante da Sala

Procura-se um Amigo para o Fim do Mundo (Seeking a Friend for the End of the World, 2012)

Corte de cabelo moderninho, vestido lilás, all star sem meia (meus dedinhos doem só de olhar) e casacão. Penny, a personagem de Keira Knightley se apresenta de forma a deixar claro que é uma pessoa peculiar. O fato de às vésperas do fim do mundo se agarrar aos seus vinis como se disso dependesse sua sobrevivência deveria ajudar a enfatizar essa característica, embora nenhum sentido jamais seja dado a eles. A personagem se resume a isso: mais uma protagonista de comédia romântica diferentona e sem profundidade. Eu escrevi comédia? É engraçado (sem trocadilhos), porque o filme jamais acerta o tom no humor,

Figurino: Yuppies e feminismo no cinema dos anos 80

Texto originalmente publicado na coluna Vestindo o Filme em 12/11/2014. Os anos 80 trouxeram consigo uma reação à geração da contracultura: depois que o sonho acabou, conservadorismo e individualismo tomaram o lugar dos ideais anteriores. Nos Estados Unidos, especificamente, houve a ascensão dos chamados “yuppies”, termo vindo de “young urban professional”, jovens profissionais urbanos altamente competitivos e preocupados com a imagem. Nessa mesma época vicejava a segunda onda do feminismo. Se a primeira onda, já no começo do século XX, reivindicava para as mulheres direitos básicos, como o de votar, a segunda clamava por igualdade de tratamento e de direitos

Orgulho e Esperança (Pride, 2014)

Não pretendia escrever sobre esse filme aqui no blog, uma vez que já o havia feito em poucas palavras no Letterboxd, mas mudei de ideia. Esse é um filme que merece ser falado e espalhado. Não é que seja uma obra-prima ou que vá deixar o espectador sem ar diante de sua técnica impecável: é que trata-se de uma obra necessário, que introjeta otimismo em quem o assiste. A trama é baseada em uma história que ocorreu no Reino Unido em 1984: os mineradores do País de Gales entraram em greve por melhores condições de trabalho e tiveram seu salários

Figurino: Cinderela em Paris

Texto originalmente publicado na coluna Vestindo o Filme em 17/09/2014. Banish the black, burn the blue, and bury the beige. From now on, girls, think pink! Cinderela em Paris, de 1957, é um filme que reúne múltiplos talentos em sua execução. O diretor é Stanley Donen, que cinco anos antes havia entregue Cantando na Chuva, um dos melhores musicais de todos os tempos. Os atores principais são Audrey Hepburn, que se estabelecia como estrela após o sucesso de A Princesa e o Plebeu e Sabrina; e Fred Astaire, já veterano. A figurinista é Edith Head, figura mítica da profissão, com

O Duplo (The Double, 2013)

Não é incomum ver filmes sobre pessoas lidando com dificuldades em relação a maneira como são percebidas pelas demais. O Duplo, dirigido por Richard Ayoade, é um exemplo bem realizado disso, trabalhando não uma realidade crível, mas uma espécie de distopia com um protagonista que projeta suas expectativas. Não li a obra de Dostoievsky em que ele foi baseado, mas o tom da adaptação parece ser menos do autor russo e mais kafkiano, com seus absurdos burocráticos. Brazil, de Terry Gilliam também vem a mente diversas vezes pelo mesmo motivo. A trama traz Simon James (Jesse Eisenberg), que trabalha há sete

Melhores Filmes de 2014

Essa lista deu trabalho. Comecei com a ideia de mencionar 10 filmes, mas não consegui fechar neles. Ampliei para 15 e ainda senti culpa por alguns filmes terem ficado de fora. Foi, então, para 20, afinal, como escrevi na de melhores descobertas do ano, a lista é minha. Ainda fico em dúvida se os últimos listados são os melhores mesmo, já que posições ficaram mudando o tempo todo enquanto tentava elaborá-la. Outros filmes que gostei e alguns guilty pleasures ficaram de fora. Por esse motivo não estou colocando-os de forma ranqueada. Apesar disso considero as cinco primeiras colocações fixas; apenas as

Os 30 Melhores Filmes de 2014 que não são de 2014

Nessa época todos estão preparando suas listas de melhores do ano e como ainda estou descobrindo pérolas e cavocando coisas que ainda não assisti, elaborei a lista das melhores descobertas, ou seja, filmes assistidos pela primeira vez este ano e que não são de 2014. O ano ainda não acabou e até agora foram 284 filmes assistidos, o que tornou a tarefa extremamente difícil. Consegui selecionar trinta dos melhores filmes que vi e muitos incríveis ficaram de fora. No caso de diretores em que mais de um filme entraria na lista ou foi bem avaliado, optei por manter só um e abrir